João Pedro Oliveira: “É para nós uma grande honra encerrar a temporada do Campo Pequeno”

campo pequeno

campo pequeno

 

 

O cabo do Grupo de Forcados amadores de Évora, João Pedro Oliveira, sente “uma grande honra encerrar a temporada dos 125 anos do Campo Pequeno, esta quinta-feira, incluído no cartel da tradicional Corrida de Gala à Antiga Portuguesa”.

 

 

A presença do Grupo de Évora por duas vezes na temporada dos 125 Anos do Campo Pequeno é sinal de confiança, honra e reconhecimento, não só da parte da empresa, mas da vontade de todos os aficionados. Que seja uma corrida que sirva de balanço para mais 125 Anos de muita afición”, acrescenta.

 

 

Para João Pedro Oliveira, o balanço desta temporada para o grupo de Évora “ é extremamente positivo”, tendo-se apresentado na maioria das principais feiras e praças de Portugal, como Évora, Campo Pequeno, Abiul Alcochete e Moita, “com um desfecho ao nível do bom nome do grupo, com nomeações para triunfadores da temporada”, esperando terminar em beleza a temporada em Lisboa.

 

 

O ano de 2017 foi de mudança na chefia do grupo. João Pedro Oliveira analisa assim a transição entre cabos: “Ao suceder ao grande cabo e amigo António Alfacinha, não senti grandes diferenças entre o grupo que o António nos deixou e aquele que comando agora. Porque ambos tivemos a responsabilidade de preparar ao pormenor o período de transição. Podem-se mudar lideranças, elementos do grupo, mas a matriz e os princípios serão sempre os mesmos, o que facilita o caminho a percorrer enquanto cabo do Grupo de Forcados Amadores de Évora.”

 

 

 

Sobre os momentos trágicos vividos esta temporada pelos forcados, com o falecimento de Pedro Primo e Fernando Quintella, lembrou que foram de momentos muito difíceis “ que dão que pensar a todos e nos fazem reflectir sobre qual é o verdadeiro sentido da vida e consequentemente o da figura do forcado amador”.

 

 

 

O que aconteceu este ano “deveria servir de reflexão para alguns grupos de forcados sobre a sua continuidade ou não. Como dizia e bem, o Duarte Palha, num artigo endereçado ao nosso amigo Fernando que tão bem descreve aquilo que para mim é a paixão de ser forcado e que nos faz voltar a vestir aquela farda tão especial”, acrescenta.

 

 

 

A propósito recordou uma passagem de um artigo escrito por Duarte Palha, sobre a morte de Fernando Quintella: “A tua morte não foi uma tragédia, Fernando. A tua morte, como escreveram, foi de “ataque de paixão“. E não há melhor forma de partir do que a lutar por uma paixão. Porque ser forcado não é uma atracção pela morte. É uma atracção pela vida por inteiro. Quem nos dera a todos morrer como tu, Fernando. Quem nos dera a todos ter paixões como tu. Quem nos dera a todos viver como tu.”

 

 

Na Corrida de Gala à Antiga Portuguesa actuarão os cavaleiros Rui Salvador, Rui Fernandes, João Moura Caetano, Manuel Ribeiro Telles Bastos, João Moura Júnior e Luís Rouxinol Júnior, estado as pegas a cargo dos grupos de forcados amadores de Évora e de Vila Franca de Xira, sendo lidado um curro de toiros da ganadaria Passanha.

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 10/10/2017


About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

_