Miguel Gameiro prepara novo disco: “penso que na maior parte dos Países civilizados, o papel da mulher tem sido cada vez mais respeitado e valorizado”

foto promo miguel gameiro

foto promo miguel gameiro

 

 

O novo disco de Miguel Gameiro chamar-se-á “Maria” e é uma homenagem à figura da Mulher. O disco tem edição prevista para Março em formato físico e digital.

 

 

O cantor, compositor e letrista já apresentou dois temas deste novo disco, em que conta com duetos com Cuca Roseta e Ella Nor. Todos os temas deste disco serão duetos de Miguel Gameiro com cantoras que admira pessoal e profissionalmente.

 

 

Em entrevista ao Infocul, Miguel Gameiro aborda o novo trabalho discográfico, as redes sociais, o seu percurso, os Pólo Norte e ainda o que gosta de fazer fora do palco.

 

 

Quando surge a ideia de “Maria”, um disco dedicado à mulher?

Surge quando me dei conta de que  a maior parte das canções que escrevi foram escritas para mulheres.

 

 

 

Quais serão as artistas que farão duetos consigo neste disco?

Para já contei com a participação da Cuca Roseta e da Ella Nor. Os duetos vão sendo anunciados à medida do lançamento das canções.

 

 

Sente que a mulher já tem o devido respeito e consideração que merece ou ainda existe discriminação?

De uma forma geral, penso que na maior parte dos Países civilizados, o papel da mulher tem sido cada vez mais respeitado e valorizado.

Acredito que ainda possa existir uma certa discriminação “invisível”, mas é notório o papel que a mulher representa hoje e sempre representou como o alicerce principal de qualquer família funcional.

 

 

 

Além da temática da mulher, podemos afirmar que este trabalho tem subentendida a temática do amor (nas suas diversas formas)?

Neste disco celebra-se a Mulher em todas as suas facetas. Mãe, Mulher, Amiga, Profissional.

É um disco de Amor sim, também nas várias formas do Amor.

 

 

 

Este é um disco de emoções fortes ou haverá também temas mais ligeiros?

Haverá um pouco de ambos. Canções de enamoramento, de encontro, desencontro, saudade e alguma angústia.

 

 

 

A escolha das convidadas deve-se à admiração profissional, pessoal, ou às duas?

Sim, deve-se à admiração pessoal e profissional e também pelo privilégio de ter trabalhado com algumas destas mulheres.

 

 

De todas as convidadas, há alguma que gostasse que estivesse presente no disco e não esteja?

Para já, tenho todas as que pretendo, já que este é um disco que vai sendo feito canção a canção.

 

 

 

Em termos de espectáculo, o que anda Miguel Gameiro a fazer?

Este ano, fechamos o ciclo Pólo Norte, com muitos concertos ao ar livre e auditório.

Também fiz bastantes concertos a solo.

 

 

 

Em que ponto está o projecto Polo Norte. Vai haver novo disco ou não?

O grupo reuniu-se para celebrar. Celebração feita. Agora vou regressar ao meu trabalho a solo.

 

 

 

Em termos de redes sociais onde pode o público interagir consigo?

Através das minhas páginas do Facebook e Instagram.

 

 

 

Dedica muito tempo às redes sociais?

Dedico o tempo que acho necessário. Não sou um “Social media freak”. Preservo bastante a minha vida pessoal, mas percebo a importância da rede e de estar ligado às pessoas que me seguem.

 

 

 

Qual a importância das redes sociais no seu trabalho?

A importância das redes sociais é cada vez maior. A era digital tem vindo de certa forma a tomar conta das nossas rotinas e das nossas vidas. O que não está na rede não existe. Mas também é importante que é apenas uma forma de chegar aos outros. Provavelmente se não fosse músico estaria off (sorri).

 

 

 

Como analisa o actual momento da música em Portugal?

Essa é a pergunta de 1 milhão (sorri). Muita coisa a acontecer, o que demonstra alguma vitalidade, mas também muita coisa que não devia acontecer. Faz parte….

Falando da parte positiva, também o digital veio facilitar muito a vida aos músicos no que toca à produção e gravação.

 

 

 

O que ainda lhe falta fazer depois de um percurso recheado de sucessos?

Falta tudo (sorri).

 

 

 

Quem é Miguel Gameiro fora do palco e o que dá prazer fazer?

Fora do palco, sou apenas eu, com os anseios, sonhos, certezas e incertezas de uma outra pessoa qualquer.

No que toca ao prazer, ler, cinema e mais cinema, cozinhar….muito (sorri).

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 12/10/2017


About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

_