Sebastião Antunes: “O amor está muito presente neste trabalho”

SEB56

SEB56

 

Sebastião Antunes tem novo disco. Em formato acústico, apenas com voz e guitarra, “Singular” é o resultado duma experiência na música de Sebastião, ao mesmo tempo que, celebra os seus 30 anos de carreira, revisitando, renovando e partilhando as histórias que fazem parte da sua discografia.

 

 

Este disco já tinha sido falado várias vezes, mas ainda não tinha surgido um momento em que achássemos pertinente gravá-lo. No final de 2016 começámos a planeá-lo e foi um processo relativamente rápido” começa por dizer em entrevista ao Infocul.

 

 

Com este disco há várias mensagens que pretende transmitir. “As mensagens deste disco são as mensagens das canções. Elas contam histórias, algumas autobiográficas, outras provêm de momentos e de vidas que vou conhecendo e até, por vezes, partilhando. O amor está muito presente neste trabalho. Acima de tudo pretende transmitir tranquilidade” acrescenta.

 

 

Neste disco conta com alguns convidados e sobre a escolha dos mesmos revela que “penso que não houve um critério muito pensado. Os convidados são pessoas de quem sou grande admirador, quer pelo que são, quer pelo que fazem. Tanto o Pedro Mestre como a Ana Laíns ou o Tito Paris são cantores por quem sinto um enorme apreço, e por isso, para além de tudo o resto, há um grande agradecimento

 

Sebastião Antunes conta com 30 anos de carreira e este é o 10º disco. “É claro que de vez em quando há um ou outro momento mais difícil, mas o prazer de se fazer o que se gosta supera esses momentos.  Por isso, só tenho a agradecer à vida e a todos aqueles que comigo têm colaborado”, diz-nos como balanço do seu percurso.

 

 

Trinta anos é muito tempo e a música portuguesa mudou muito. Essa opinião é partilhada pelo músico que revela “penso que mudou mesmo muita coisa. desde a forma como se grava até aos formatos de canais onde os músicos divulgam os seus trabalhos. As opções são muitas mais e é tudo muito mais rápido. Há menos receio de arriscar em novas experiências e isto torna os músicos mais confiantes”.

 

Esta é provavelmente a pergunta mais difícil pois ainda quero fazer tanta coisa. Assim que se termina um trabalho começa-se logo a pensar no próximo e lá estão novas ideias a nascer. Por muitas coisas que já se tenha feito há, por certo, muitas mais para fazer. O importante é deixar que o caminho nos conduza, naturalmente” diz-nos quando o questionámos sobre o que ainda pretende fazer.

 

 

“Singular” conta com 10 temas, oito com novos arranjos, e dois originais: “Amor para dar”, e “A Melhor Solução”,  que conta com a participação de Ana Laíns. Na “Toada do Alentejo”, Sebastião contou com a participação de Pedro Mestre e da sua viola campaniça.

  

 

 

Este disco é realmente diferente de todos os outros pois não foi feito com o grupo, como de costume. É como se as canções se quisessem mostrar às pessoas, na sua origem, com a voz e uma guitarra. É assim que começam a sua viagem, lá em casa. Desta vez o precurso foi feito ao contrário e fui revisitar as cantigas ao seu princípio” diz-nos sobre o que diferencia este disco dos outros.

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 15/06/2017

Tagged with:    

About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

_