Time For T em entrevista sobre o novo disco

16991547_10155804747813475_4262350039041976509_o

16991547_10155804747813475_4262350039041976509_o

 

 

“Hoping Something Anything” é o novo disco de Time For T, tendo sido gravado ao longo de 2016, em Londres, nos Spitfire Audio Studios, numa produção da própria banda, mas com mistura de JJ Golden.

 

 

Deste disco destaca-se “Ronda”, inspirado pela visita da banda à cidade de Ronda no Sul de Espanha onde tocaram no Festival Muwart onde foram incrivelmente recebidos por um público com quem criaram imediatamente uma relação especial. Mas há também um trabalho bem conseguido com uma sonoridade profunda.

 

 

Em entrevista ao Infocul é abordado o processo criativo do disco e também a mensagem que é pretendida ser transmitida.

 

 

Quando é que começou a ser pensado este disco?

Na verdade, este disco começou a ser pensado quando passei a compor música – 2004!

 

 

 

Quanto tempo demorou o trabalho de pré-produção e produção do disco?

O disco demorou algum tempo pois metade foi composto e gravado antes da minha viagem para a India e quando voltei quis mudar muitas coisas e substituir várias canções pelas novas que tinham surgido na Índia.

 

 

 

Quais os maiores desafios neste disco?

Um dos maiores desafios foi auto produzir o disco pois às vezes uma pessoa pode perder-se no mundo das possibilidades sonoras durante algum tempo. Por outro lado, isto também nos ofereceu a possibilidade de explorar tudo o que queríamos explorar até estarmos satisfeitos com o resultado final.

 

 

 

Quais as mensagens que tentam transmitir neste trabalho?

Não estamos propriamente a tentar transmitir uma mensagem. Procuramos mais transmitir as nossas emoções pela música e que alguém consiga identificar-se com essas emoções, que a música tenha um impacto positivo na vida das pessoas.

 

 

 

“Ronda” é o nome de um tema e também de uma localidade em Espanha (por sinal com fortes tradições). Qual a história deste tema?

Conhecemos a cidade de Ronda pois fomos convidados para tocar num festival lá em 2015. Desde o primeiro momento em que vimos a cidade, ficamos apaixonados. O concerto correu muito bem e quase toda gente comprou o nosso CD. Desde aí, temos uma comunidade fiel de pessoas que conhecem e gostam bastante da nossa música e cada vez que voltamos a família cresce!

 

 

 

Se vos definissem num único tema deste disco qual seria?

Seria ‘Ronda’ pois tem todos os paladares e ritmos que costumamos utilizar.

 

 

 

Em termos de espectáculo o que já pode ser revelado?

Acabamos agora a nossa maior digressão europeia e em Fevereiro vamos embarcar noutra mas desta vez, por terras italianas.

 

 

 

Onde pode o público encontrar-vos nas redes sociais e ficar a par das vossas novidades?

Podem encontrar nos em quase todas as redes sociais mas o Facebook e o Instagram costumam ser as mais activas.

 

 

 

Qual a importância das redes sociais no vosso trabalho?

Acho que mudou completamente o mundo das artes. Antes era preciso confiar que o promotor iria fazer um poster e colá-lo pela cidade e agora pode promover-se um concerto do outro lado do mundo. As redes sociais têm bastante importância mas, por outro lado, está a tornar-se cada vez mais difícil ser visto ou ouvido pois existe uma enorme quantidade de informação e promoção diariamente no mundo virtual.

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 10/10/2017


About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

_