Útero celebra 20 anos com “O Duelo” que agora chega ao Centro Cultural Vila Flor

O Duelo

O Duelo

 

A peça “O Duelo”, que comemora os 20 anos do “Útero” e apresenta a visão de Bernardo Santareno em palco, chega ao Centro Cultural Vila Flor (CCVF) no dia 25 de Fevereiro, sábado, às 22:00. Miguel Moreira regressa a Guimarães para apresentar o seu olhar sobre a obra de um dos mais importantes dramaturgos do séc.XX.

 

 

“O Duelo” enquadra-se no universo da lezíria ribatejana e é um retrato repleto de tensões na difícil relação entre os senhores e os seus subordinados. A linguagem de Bernardo Santareno remete para o lado mais animalesco que carregamos dentro de nós. O “Útero”, colectivo que se caracteriza por uma certa crueza e visceralidade, pega nesta peça e dá-lhe um corpo, exacerbando a ruralidade que aproxima os homens dos animais.

 

 

É uma peça com um lado rural muito forte que mostra o homem a equilibrar-se no meio do caos. Ao assinalar os 20 anos de existência do colectivo artístico, o teatro e a dança fundem-se para irmos aos lugares mais marginais que temos dentro de nós.

 

 

Em cena vão estar sete intérpretes a debitarem palavras, acompanhados pela música de Pedro Carneiro que afina o lugar do som e das emoções. Os seus corpos, oprimidos, tentam libertar-se. Neste duelo, não há receio em acentuar os elementos rurais que, hoje, julgamos terem desaparecido. Permanecem traços de um outro tempo. Um tempo onde corpos, cheios de instintos primários, tentam sonhar outra vida.

 

 

Este espectáculo vem perseguindo Miguel Moreira há vários anos: “É uma peça que me segue há dez anos (…) Eu sempre achei que o Santareno tem umas palavras físicas, é sadomasoquista, uma homossexualidade recalcada, uma ambivalência sexual que também devia ter a ver com a época. Há muita gente que diz que aquilo é datado. Mas é engraçado que quem agora relê diz: fogo, isto é muito mais actual do que se estava a pensar.”

 

 

Ainda segundo Miguel Moreira, esta peça não podia ir mais de encontro àquilo que é a génese do “Útero”. “Há questões na escrita, palavras que sempre achei físicas, e ambientes que têm muito que ver com aquilo que nós, de forma coincidente, trabalhamos”. Um certo fascínio pela dor, quase num limite sadomasoquista, e uma linguagem marcada pela sexualidade são características que têm vindo a marcar o percurso do “Útero” que tenta esquivar-se constantemente a rótulos. 

 

 

“Acho que este espectáculo é uma tensão entre o sítio onde nós estamos, que é na dança e o teatro”, explica o encenador. 

 

 

A partir de 2011, o “Útero” absorveu também a influência de Romeu Runa e Sandra Rosado que acrescentam ao colectivo a sua própria personalidade criativa: “sempre que o Romeu não está presente esse virtuosismo ressente-se e nota-se que fica mais baço”. O colectivo define-se em muito pelo contributo de todos os que são chamados para esse espaço comum da criação e a equipa é tão coesa que todos se completam, todos acrescentam algo, à mesma medida em que se entendem com um simples olhar, numa forma de trabalho quase orgânica.

 

 

“O Duelo” pode ser visto no dia 25 de Fevereiro às 22:00 no Centro Cultural Vila Flor (CCVF).

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 21/02/2017

Tagged with:     ,

About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

_