Actor sem pernas e sem mãos critica televisões: “Não querem arriscar criar personagens como eu, que têm deficiência”

O actor Paulo Azevedo, de 38 anos de idade,  que tem sido um exemplo de superação e lançou agora um livro, ‘Não Há Impossíveis’, faz fortes acusações às TV’s.

O ator nasceu em Coimbra sem pernas e parte dos braços, mas conseguiu vingar no mundo da representação em Portugal, especialmente na novela ‘Podia Acabar o Mundo’, da SIC, em 2008, até que as oportunidades no pequeno ecrã se fecharam por completo.

As televisões, os produtores e os argumentistas não querem arriscar criar personagens como eu, que têm deficiência. Se já fiz o papel de um advogado sem mãos e sem pernas, fazer outra qualquer personagem em televisão é apenas uma questão de coragem para quem decide“, disse Paulo Azevedo em declarações à ‘TV Guia’ desta semana.

Mas se as TV’s se esquecem de si, já no teatro nunca lhe faltou trabalho: “Só deixei os palcos porque as palestras motivacionais começaram a absorver-me muito tempo.

José Mourinho assinou o prefácio do seu novo livro e não pouca nos elogios: “Homem grande“, “perseverante“, “determinado” ou “não é menor, só diferente“.

Sobre Mourinho, Paulo Azevedo diz que “o míster é um ser humano fantástico, que usa aquela capa de dureza para se proteger. Mandei-lhe uma mensagem pelo WhatsApp, a pedir-lhe se podia escrever o prefácio, e disse-me que não tinha tempo. Mas que o ia arranjar.

Mourinho recorda uma palestra de Paulo aos jogadores do Real Madrid: “O homem que deu aquela palestra aos meus jogadores é hoje um dos melhores oradores motivacionais do País. Através deste livro, os leitores perceberão que ele é um motivador, um especialista em liderança, um indivíduo capaz de, no fundo, oferecer aos outros aquilo que ele tem, as qualidades fantásticas de determinação e superação que ele tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.