Brisa avisa para actualização de taxas de portagem e anuncia investimento

 

 

No dia 1 de Janeiro, as portagens da Brisa Concessão Rodoviária (BCR) vão ter uma atualização média de 0,94% das suas tarifas, relativamente a 2018.

 

 

Em comunicado a Brisa informa que em 2019 “vai investir 74 milhões de euros nas autoestradas: 59 milhões de euros na conservação e melhoria de utilização da infraestrutura gerida pela BCR; 15 milhões de euros, para aumentar para 10 o atual número de áreas Colibri Via Verde”.

 

A Brisa Concessão Rodoviária informa que, no dia 1 de Janeiro de 2019, entra em vigor o novo tarifário de portagem nas suas autoestradas. De acordo com os mecanismos de actualização de taxas, previstos no respectivo contrato de concessão, as tarifas de portagem irão registar, em 2019, uma actualização média de 0,94%. Este valor tem como referência, conforme legalmente estipulado, a taxa de inflação homóloga – no continente, sem habitação – de Outubro”, acrescenta o comunicado.

 

A empresa anuncia ainda “81% das taxas de classe 1 sem alterações” e acrescenta “sublinhe-se que, na classe 1, apenas 18 das 93 taxas de portagem (19% do total) foram actualizadas e que na maioria dos principais percursos, o impacto dessas actualizações é mínimo. A actualização média das tarifas para todas as classes de veículos e em todos os trajectos é estimada em 0,94%. Nos percursos de longa distância, o valor absoluto das actualizações, para 2019, é sempre inferior ou igual ao verificado em 2018”.

 

Longa distância 2018 2019
A6 – Marateca/Caia 0,25 0,10
A1- Lisboa/ Porto 0,45 0,15
A2- Lisboa/Algarve 0,25 0,25

 

Nos principais sublanços urbanos geridos pela BCR, que se caracterizam por uma maior frequência de automobilistas, as actualizações estão muito em linha com o que se verificou em 2018. Nos termos da legislação em vigor, a actualização das taxas de portagem reflecte-se em valores múltiplos de cinco cêntimos. Este método de actualização traduz o mecanismo de arredondamento das taxas de portagem para o múltiplo de cinco cêntimos mais próximo, o que implica, em termos práticos, actualizações não homogéneas das tarifas. Existem, por isso, casos de taxas de portagem que apresentam uma variação inferior à média ou nula. Noutros casos, as taxas apresentam uma variação superior à média, devidas a reajustes, por não terem sido objecto de actualização em anos anteriores”, é ainda explicado no comunicado.

 

 

Sublanços Urbanos 2018 2019
A5 – Lisboa/Cascais 0,00 0,00
A9- CREL 0,05 0,10
A3 – Porto/ Valença 0,20 0,05
A4 -Porto/ Amarante 0,05 0,10
A1 – Sublanço de Alverca (A1/A9)/Vila Franca de Xira II 0,05 0,00
A1 – Sublanço Vila Franca de Xira II/ Vila Franca de Xira I 0,00 0,00
A1 – Sublanço Espinho (IC24)/Carvalhos 0,00 0,05
A2 – Sublanço Fogueteiro/Coina; 0,00 0,05
A3 – Sublanço Maia/Santo Tirso 0,00 0,00
A4 – Sublanço Ermesinde/Valongo 0,00 0,00

 

Na sequência da recente inauguração, pela Brisa, da quinta área de serviço Colibri Via Verde, em Almodôvar, na A2 – Autoestrada do Sul, o objectivo para 2019 é duplicar o número total de áreas com serviço Colibri Via Verde, em toda a rede Brisa. Este plano implica um investimento de 15 milhões de euros. Recorde-se que a oferta Colibri Via Verde, nas áreas de serviço, é diferenciada por segmentos, acolhendo os clientes que optam por uma paragem mais longa, oferecendo-lhes uma zona de restauração em free-flow e uma loja – e os clientes que optam por uma paragem rápida, oferecendo-lhes uma zona de vending”, anuncia a empresa.

 

A Brisa é um dos principais dinamizadores do setor das obras públicas em Portugal. Em 2019, através da Brisa Concessão Rodoviária (BCR) prevê investir cerca de 59 milhões de euros, valor bastante superior aos realizados em 2018 (49 milhões de euros) e em 2017 (48 milhões de euros). Entre os trabalhos a realizar na infraestrutura rodoviária gerida pela BCR, em 2019, destacam-se, o alargamento da A4–Auto-estrada Porto/Amarante, entre Águas Santas (A3/A4) e Ermesinde, e as beneficiações de pavimento nos sublanços Leiria/Pombal (A1), Almada/Fogueteiro (A2), Circular Sul de Braga, A2/A6/A13/Vendas Novas e Elvas Central/Elvas Nascente/Caia (A6). Mantém-se assim uma política de investimento na rede, destinado a obras para melhoria dos níveis de serviço prestado e de segurança rodoviária, bem como de melhoria do conforto e comodidade para quem viaja nas autoestradas. No site www.viaverde.pt poderá ser consultada a evolução deste programa de trabalhos, bem como os respectivos impactos nas condições de circulação”, remata o comunicado.

 

Para consultar as taxas de portagem em vigor em 2019 pode consultar www.viaverde.pt .

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.