A Casa do Alentejo, em Lisboa, recebe amanhã a apresentação da petição “PELA DEMOCRACIA E CONTRA O GENOCÍDIO NO BRASIL“.

A partir das 19:00, será assim apresentada uma petição que foi lançada pela Casa do Brasil, Coletivo Andorinha, Rede sem Fronteiras e pela plataforma Brasilemluto.pt.

Sérgio Tréfaut em declarações ao Infocul revelou que “a ideia da petição está ligada a uma indignação minha mas não só, de todos os meus colegas destes vários colectivos. Também de uma parte da população portuguesa relativamente à cumplicidade silenciosa do estado português com o genocídio que se pratica no Brasil, neste momento“.

Disse ainda que “não se trata de um assunto interno quando são populações inteiras que estão sendo mortas” e que “da mesma forma que todo o mundo, recentemente, se indignou com a situação de George Floyd, e com toda a razão, com manifestações no mundo inteiro, só no Rio de Janeiro morrem 5 George Floyd por dia. Ou seja, há cinco assassinatos impunes da polícia relativamente a uma população de favela, maioritariamente negra, e que nunca vai a julgamento“.

Da parte do governo português espera “um posicionamento internacional, no conselho da Europa, parlamento europeu. Não é uma entrada com canhões, isso é impossível“.

Em poucos dias, mais de mil pessoas assinaram esta petição. Pretende-se chegar rapidamente às quatro mil assinaturas para que seja apresentada à Assembleia da República.

Até ao momento, a petição foi assinada por personalidades como Alice Vieira, Ana Benavente, Anabela Mota Ribeiro, Cristina Reis, Eduardo Paz Ferreira, Fernando Rosas, Francisco Louçã, Inês Gonçalves, Inês Pedrosa, Irene Flunser Pimentel, Jacinto Lucas Pires, Joana Mortágua, João Arsénio Nunes, José Manuel Costa, Maria de Medeiros, Mário de Carvalho, Miguel Vale de Almeida, Odete Ferreira, Pilar del Río, Richard Zimler, Rita Cabaço, Rita Rato, Rui Vieira Nery, Rui Zink, Susana de Sousa Dias, Teresa Villaverde, Tiago Rodrigues e Zeferino Coelho, entre outros.

A entrevista completa pode ser ouvida e vista no link abaixo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.