Comunicado do Turismo do Centro sobre esgotamento do Aeroporto Humberto Delgado

turismocentro_acores

 

 

O Turismo Centro de Portugal reagiu, hoje, aos constrangimentos do Aeroporto Humberto Delgado. Transcrevemos abaixo o comunicado do Turismo Centro de Portugal.

 

 

 

A Comissão Executiva do Turismo Centro de Portugal, reunida ontem, vê com grande preocupação as notícias recentes sobre os constrangimentos do Aeroporto Humberto Delgado. O aeroporto de Lisboa, segundo o jornal Expresso, já não consegue dar resposta ao aumento da procura, sendo obrigado a rejeitar solicitações de companhias aéreas, uma vez que os principais horários estão esgotados. São 200 mil visitantes por mês que o país está a perder.

 

 

 

São precisas medidas que minorem os efeitos desta situação. Estas devem assentar em três ordens de ideias:

 

 

 

1.ª – A situação do Humberto Delgado é uma má notícia para Portugal. O turismo tem sido uma das molas impulsionadoras do crescimento económico do país e todas as previsões apontam para que a evolução continue a ser extremamente positiva nos próximos anos. É provável, até, que as previsões para o crescimento do tráfego aéreo em Lisboa tenham de ser revistas em alta para 2018 e 2019.

 

 

 

Mas estas perspetivas de crescimento correm o risco de ser postas em causa, devido à incapacidade real do aeroporto. Os 200 mil passageiros que todos os meses a Portela está a perder são potenciais 200 mil turistas que não visitam o território nacional e que não se hospedam nas nossas unidades hoteleiras.

 

 

 

2.ª – Urge encontrar uma solução. A possibilidade “Portela + 1”, no Montijo, nunca estará operacional antes de 2020. Ou seja, aguardam-nos três anos de constrangimentos e milhões de passageiros perdidos. A possibilidade de abrir a base aérea de Monte Real a voos comerciais, há muito defendida pelo Turismo Centro de Portugal e por destacados dirigentes políticos e empresariais do país, é uma solução óbvia e que deverá ser considerada, uma vez que reduzirá a pressão sobre o Humberto Delgado. Basta lembrar que há milhares de passageiros com destino a Fátima que desembarcam em Lisboa e que poderiam optar por Monte Real, a exemplo do que fez o Papa Francisco em maio.

 

 

 

3ª – A possibilidade Monte Real, infelizmente, por não ter sido devidamente considerada há mais tempo, não poderá ser imediata. E é preciso atacar o problema e encontrar uma solução, concreta e exequível, para o curto prazo. Esta passa por aproveitar melhor a capacidade do aeroporto Sá Carneiro, no Porto.

 

 

 

O Sá Carneiro tem ainda grande potencial de crescimento. A sua expansão, no entender do Turismo Centro de Portugal, será a solução mais desejável a curto prazo para atenuar o estrangulamento do Humberto Delgado. Depois, a médio e longo prazo, a solução de dois aeroportos principais, um em Lisboa e outro no Porto, é perfeitamente conciliável com a abertura de Monte Real, ou Montijo, ou ambas, à aviação comercial.

 

 

 

Não podemos fechar a porta aos muitos turistas que nos querem visitar e que esbarram com um aeroporto Humberto Delgado esgotado. É preciso uma solução rápida e expedita. Portugal agradece.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6785 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.