Confluência de religiões em Tomar pode valorizar ainda mais o turismo …

tomar1

 

O debate “Peregrinos e Turistas: Em Diálogo na Construção de Cidadania” vai questionar sobre de que forma a confluência de religiões em Tomar pode valorizar o turismo no concelho. Para além dos seus monumentos históricos que são Património de toda a Humanidade ou da ligação ao legado templário que indicam esta região como una das possíveis “casas” do Santo Graal, Tomar é um ponto de confluência das três maiores religiões mundiais: cristianismo, islamismo e judiaismo.

 

 

Esta posição agregadora poderá ser um ponto de relevância a nível cultural e turístico. Esta foi a principal conclusão a que os participantes que estiveram no debate “Peregrinos e Turistas: Em Diálogo na Construção de Cidadania”, que decorreu no dia 23 de Maio na Biblioteca local, chegaram.

 

 

Das diversas intervenções ficou também a ideia de que, para além do intuito estritamente religioso, o turismo cultural é hoje uma das principais motivações do viajante, o que faz de Tomar um destino ainda mais apetecível para aqueles que queiram usufruir do seu património material e imaterial.

 

 

Anabela Freitas, presidente da Câmara Municipal de Tomar e defensora da valorização da herança ecuménica do concelho, afirmou que “pensando a longo prazo, devemos ser uma Córdova à nossa dimensão” e aceitou o repto de acolher um congresso sobre este tema na cidade.

 

 

O debate, último do Roteiro para o Diálogo Inter-Religioso e Cultural que decorreu em vários pontos do País, contou com as participações de: presidente da Câmara Municipal de Tomar, Anabela Freitas, padre Carlos Godinho (Obra Nacional da Pastoral do Turismo), António Caria Mendes (Associação de Amizade Portugal-Israel), João Serrano (economista, representante da Confraria Ibérica do Tejo), Pedro Machado (presidente da Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal), Rui Lomelino de Freitas (professor de Gnose e Esoterismo Ocidental), Paulo Mendes Pinto (Área de Ciências das Religiões da Universidade Lusófona), Joaquim Franco (Observatório para a Liberdade Religiosa) na moderação da conversa.

 

 

 

A iniciativa integrou a programação do Dia da Cidadania em Portugal, da responsabilidade da ANIMAR (Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local), em parceria com o Município de Tomar e o apoio do Gabinete da Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.