Conselho de Ministros: Governo analisa possibilidade de cercas sanitárias e recolher obrigatório

Amanhã, dia 31 de Outubro, realiza-se um Conselho de Ministros Extraordinário para adopção de mais medidas no combate à pandemia provocada pela COVID-19.

Segundo avança o CM, “o Governo prepara-se para avançar com cercas sanitárias locais, tal como ocorreu em março e maio em Ovar, e ainda com o dever de permanência no domicílio a partir de determinada hora da noite nas zonas com maior nível de contágio de Covid-19, apurou o Correio da Manhã. As medidas visam travar a pandemia mas também evitar um novo estado de emergência“.

António Costa, defendeu que “o critério é adotar as medidas mais eficazes e modeladas e que menos perturbem a vida social e económica”, como disse esta quinta-feira no final da reunião extraordinária do Conselho Europeu, realizada por videoconferência. E anunciou que não haverá encerramento de fronteiras entre todos os estados-membros da União Europeia.

As novas regras serão aprovadas este sábado em conselho de ministros extraordinário e deverão entrar em vigor a partir de 1 de novembro, sem necessidade de alterar o atual estado de calamidade. Tal como Costa, também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não quer, para já, o regresso ao confinamento, segundo fontes contactadas pelo CM. Esta quinta-feira, o Chefe de Estado avisou que um novo estado de emergência “depende de um amplo consenso parlamentar e social”, acrescenta o CM.

“A aplicação territorial de cercas sanitárias e/ou o dever de permanência na habitação a partir de determinado horário vai depender de um conjunto de critérios como “a incidência de casos nos últimos 14 dias, os novos casos por 100 mil habitantes, as faixas etárias mais atingidas ou a pressão sobre os hospitais”, explicou esta quinta-feira o secretário de Estado Adjunto, António Lacerda Sales, ao Podcast do PS. O governante defendeu que é importante “uniformizar o modelo para que não haja grandes discrepâncias entre concelhos e entre distritos”, pode ainda ler-se na notícia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.