Cristina Ferreira justifica regresso à TVI: “Era preciso reconstruir paredes que tinham caído. Ninguém gosta de ver a casa da mãe a cair.”

Cristina Ferreira utilizou, hoje, as redes sociais para justificar o regresso à TVI.

 

17 anos depois de entrar pela primeira vez. Tinha 26 anos. Seria repórter da estação. Entrei com a timidez que se atenuou com o tempo, a desejar que aquela fosse a minha vida dali para a frente. Tinha tirado ciências da comunicação e ali era o meu lugar. 15 anos de crescimento, memórias , amigos, daquilo que parecia ser para sempre. Mas o meu para sempre é muito estranho. É que nele está incluído o sair para continuar a crescer. E sair sabendo que aquela é a casa mãe mas que é preciso. Tive a sorte de nesta saída de 2 anos encontrar um lugar especial onde os sonhos tinham espaço. Encontrei pessoas extraordinários, uma casa que será sempre minha, uma equipa agarrada ao coração para sempre. Mas um dia alguém me disse que a casa mãe precisava de mim. Olhei e percebi que fazia lá falta. Era preciso reconstruir paredes que tinham caído. Ninguém gosta de ver a casa da mãe a cair. E a filha volta para trabalhar. Encontra muitos dos amigos de braços abertos, novos inquilinos e sorrisos no rosto. Aí, as saudades do lugar do sonho ( onde deixo uma das memórias mais bonitas da minha vida), dão lugar ao entusiasmo de perceber que está tudo certo. De verdade. ♥️

View this post on Instagram

17 anos depois de entrar pela primeira vez. Tinha 26 anos. Seria repórter da estação. Entrei com a timidez que se atenuou com o tempo, a desejar que aquela fosse a minha vida dali para a frente. Tinha tirado ciências da comunicação e ali era o meu lugar. 15 anos de crescimento, memórias , amigos, daquilo que parecia ser para sempre. Mas o meu para sempre é muito estranho. É que nele está incluído o sair para continuar a crescer. E sair sabendo que aquela é a casa mãe mas que é preciso. Tive a sorte de nesta saída de 2 anos encontrar um lugar especial onde os sonhos tinham espaço. Encontrei pessoas extraordinários, uma casa que será sempre minha, uma equipa agarrada ao coração para sempre. Mas um dia alguém me disse que a casa mãe precisava de mim. Olhei e percebi que fazia lá falta. Era preciso reconstruir paredes que tinham caído. Ninguém gosta de ver a casa da mãe a cair. E a filha volta para trabalhar. Encontra muitos dos amigos de braços abertos, novos inquilinos e sorrisos no rosto. Aí, as saudades do lugar do sonho ( onde deixo uma das memórias mais bonitas da minha vida), dão lugar ao entusiasmo de perceber que está tudo certo. De verdade. ♥️

A post shared by Cristina Ferreira (@dailycristina) on

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.