Denúncia de racismo no IKEA: “Em 2020 ainda há pessoas que pensam que um negro não pode ter um cartão multibanco para comprar uma cozinha”

O namorado de Rita Pereira, Guillaume Lalung denunciou, hoje, uma situação de racismo no IKEA.

Através das Instastories, do seu Instagram, deu a conhecer a história de Fábio Silva.

Em 2020 ainda há pessoas que pensam que um negro não pode ter um cartão multibanco para comprar uma cozinha do Ikea. A estas pessoas eu chamo racistas“, escreveu.

A polícia chegou depois, mas segundo Guillaume ajudou a pessoa errada.

Para resumir: O Ikea não quis aceitar o dinheiro dele. O Fábio Silva teve, não só de comprovar que o dinheiro era dele, como que já tinha gasto mais de 7.000 euros neste estabelecimento. Ainda assim a polícia deu razão ao Ikea e exigiu o pagamento em dinheiro. Tudo isto porque a pessoa envolvida é negra, está de chapéu e o valor a pagar é elevado“, acrescentou.

O normal seria que a polícia obrigasse o Ikea a aceitar o pagamento. As pessoas que, em nome da polícia, concordam com este tipo de atitudes, então aceitaram o racismo. Infelizmente o Fábio é um caso em milhões. Eu tenho muita história pessoal assim. É triste”.

5 thoughts on “Denúncia de racismo no IKEA: “Em 2020 ainda há pessoas que pensam que um negro não pode ter um cartão multibanco para comprar uma cozinha”

  • Pingback:

  • Avatar

    Isto dito por um macaco que vive á conta da actriz deve ser para rir… Força IKEA.

    Reply
    • Avatar

      Que comentário racista… É pena que em 2020 ainda haja pessoas com esse tipo de pensamentos. Como é que sabe que ele vive ou não à conta dela? O dinheiro é seu? Está muito preocupado… É por pessoas com pensamentos pensamentos racista e medíocres como os que o senhor tem que isto nunca vai acabar. Se fosse algum executivo de pele branca já não havia problema. Um negro não pode ter dinheiro? Por amor de Deus. As leis para quem é racista com esse tipo de comentários devia ser muito mais pesada… Mas encondem-se na Internet com esse tipo de comentários

      Reply
      • Avatar

        “o caso relatado nada tem que ver com racismo ou discriminação. Foi motivado por uma questão técnica associada ao meio de pagamento utilizado, que por sua vez não permitia a utilização de código PIN e que não continha qualquer tipo de identificação. A confirmação do pagamento mediante aposição de assinatura pressupõe sempre a verificação da mesma através de um documento de identificação onde também conste essa mesma assinatura. Este procedimento visa proteger não só a IKEA, como todos os nossos clientes. Acontecimentos isolados, relatados parcialmente ou sem contexto, não podem ser deturpados ou extrapolados, lesando o que somos e defendemos enquanto empresa e pondo em causa a integridade dos nossos colaboradores. Estamos sempre disponíveis para o diálogo, e para esclarecer esta situação em particular, mantendo o compromisso de dar o nosso melhor todos os dias, para que a nossa casa seja a casa de todos“. Ou seja, como é uma pessoa das ditas minorias achava que as regras nao se aplicavam a ele, e que o mundo esta todo contra eles, tudo é racismo. Ainda nao sabem viver numa sociedade em que as regras sao para todos, eles é que sao racistas em relação aos outros e com estas atitudes atiram areia para os olhos dos incautos. Mas a policia tb agiu mal, nao se podem efetuar pagamentos em numerario nesse valor.

        Reply
  • Avatar

    Era um dilema interessante, que um dia a tua vida pudesse depender de uma pessoa de cor diferente da tua.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.