Há uma nova cerveja artesanal portuguesa. Chama-se Almbeer e tenta “aliar a componente tradicional da cerveja ao design” (C/Vídeo)

Almbeer é uma nova cerveja artesanal portuguesa, que agora chega ao mercado, com baixo teor alcoólico. Ricardo Fontes, criador da receita e responsável pela marca, concedeu uma entrevista ao Infocul.pt para dar a conhecer esta cerveja, onde pode ser adquirida e ainda o que a distingue.

Este nova cerveja correspondeu a um investimento inicial de 200 mil euros, aproximadamente, e está disponível ao público em www.almbeer.com, nos restaurantes Porto dos Sabores e D’Avenida e em dott.pt . A Almbeer é detida pelo Grupo FMO.

Esta cerveja é definida como tendo o “tradicional aroma a cereais”, sendo que “o amargo é suave criando um perfil de uma easy lager aumentando o volume de consumo”.

A Almbeer foi “criada por brewmasters experientes com conhecimentos particulares das preferências dos consumidores africanos e europeus. Foi desenvolvida para países cujas temperaturas médias rondam os 20º e com um teor alcoólico de 4,5% (ligeiramente inferior aos concorrentes que apresentam valores superiores a 5%) de modo a promover a sua repetição”.

O Grupo FMO tem sede no Porto e posiciona-se no sector da construção e turismo, sendo detentora das marcas FMO Apartments e dos restaurantes D’ Avenida e Porto dos Sabores.

Ricardo Fontes define a cerveja como “leve, fresca, agradável ao consumo, que pede a sua repetição“, tendo este projecto nascido de “um trabalho que eu fiz em Cabo Verde (…)“. Na Almbeer “tentamos aliar a componente tradicional da cerveja (…) ao design. Há alguma inovação no design. O nosso logo e a nossa imagem não são muito comuns em ver numa marca de cerveja“, acrescenta.

 

Revelou-nos que “o embrião começou em 2018 (…) mas oficialmente pode-se dizer que o projecto começou em 2019“, e que a Almbeer é “uma cerveja que qualquer pessoa pode saborear. É uma cerveja, em linguagem de marketing, mainstream. É uma cerveja para o comum dos consumidores. Dos 18 aos 80“. Está disponível no mercado pelo preço de “9.85 euros por uma embalagem de 24 garrafas“.

Em tempos de incerteza, revelou que “não temos muito bem noção do que nos espera o futuro“, embora acrescentasse que antes da pandemia existiam já acordos com países como “Quénia, Chade e negociações avançadas para África do Sul e Índia“, tendo em conta que a exportação assume papel importantíssimo nesta área de negócio.

Para ficar a saber mais curiosidades sobre o processo de produção ou os objectivos a longo prazo, basta ver o vídeo abaixo que conta com a entrevista integral.

 

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6751 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.