Hélder Milheiro espera que deputados “sejam coerentes com as posições já tomadas e voltem a chumbar esta proposta”, da Animal

João de Sousa/Infocul.pt

 

 

 

Após a tomarmos conhecimento da entrega da Iniciativa Legislativa, por parte da Associação Animal na Assembleia da República para acabar com os apoios públicos às touradas, o Infocul pediu alguns esclarecimentos à PróToiro. Hélder Milheiro, secretário-geral desta federação, respondeu sobre as sequências desta iniciativa.

Em declarações ao Infocul, revelou que reage a esta Iniciativa Legislativa com “absoluta tranquilidade. Este tema (apoios públicos) já foi votado e chumbado por mais de 80% dos deputados nesta legislatura. A proposta é ilegal e está condenada à partida”, acrescentando, quando confrontado com as 22600 assinaturas, que reage com “toda a naturalidade democrática. As pessoas são livres de assinarem as petições que entenderem. Recordo só que a petição em defesa da festa brava recolheu 120 mil assinaturas”.

Contudo e perante esta acção da Animal, a “PróToiro repudia mais uma tentativa de atentado aos direitos dos cidadãos e à legalidade, ainda para mais feita com dados falsos e erróneos. A tauromaquia não vive de apoios públicos, pelo contrário, não tem apoios do estado central e vive da bilheteira, visa que as outras artes na quase totalidade não podem dizer”, explicando que “iremos continuar a levar informação aos decisores políticos para ajudar a compreender o que está em causa e as ilegalidades desta proposta”.

E afirma que espera que os partidos “sejam coerentes com as posições já tomadas e voltem a chumbar esta proposta”. Revelou ainda ao Infocul, quando questionado se já reunira o Ministério da Cultura, que “tivemos resposta ao convite para O Dia da Tauromaquia e esperamos reunir em breve”.

Em resumo assume que a tauromaquia não está em risco, mesmo que esta Iniciativa Legislativa seja aprovada, pois “a tauromaquia não vive de apoios públicos. Pelo contrário é um financiador do estado através dos impostos directos e indirectos e gera economia e riqueza. Os poucos e reduzidos apoios locais que existem são investimentos com grande retorno económico para os municípios e regiões, movimentando muitas pessoas. Anualmente cerca de meio milhão de espectadores em corridas de Toiros e juntando as tauromaquia populares, andamos pelos 3 milhões anuais. O que será justo é a criação de um programa de apoios públicos à tauromaquia, como compete a uma arte tutelada pelo ministério da cultura”.

 

Recordar que já esta manhã a PróToiro reagiu em comunicado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.