Mais três detidos por violência doméstica, na zona Norte

 

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas do Porto, nos dias 17 e 18 de Outubro, deteve três homens, de 33, 43 e 57 anos, pelos crimes de violência doméstica, nos concelhos de Vila Nova de Gaia, Santo Tirso e Maia.

Na sequência de uma investigação por violência doméstica, os militares apuraram que o suspeito, de 35 anos, exercia violência física e psicológica, contra a vítima, a sua companheira de 30 anos, havendo um aumento da violência nos últimos meses, uma vez que o mesmo dependia economicamente da vítima, pelo que exigia dinheiro para a compra de produtos estupefacientes, tendo sido detido através do cumprimento de um mandado.

O detido, com antecedentes criminais pelo mesmo tipo de crime, foi presente, no dia 17 de Outubro, a primeiro interrogatório judicial no Tribunal Judicial do Porto, onde lhe foi aplicada a medida de coação de afastamento da residência e proibição de contacto por qualquer forma ou meio com a vítima.

Numa outra investigação em Santo Tirso, os militares apuraram que um suspeito, de 43 anos, ameaçava de morte a vítima, a sua esposa de 40 anos, com recurso a uma arma branca, sendo motivado pelo ciúme obsessivo, motivo pelo qual a vítima era perseguida e vigiada através de aparelhos electrónicos. Assim, foi dado cumprimento a uma mandado de detenção, que culminou na detenção do agressor.

Na terceira situação, no concelho da Maia, os militares deram cumprimento a um outro mandado de detenção, tendo sido detido um homem de 57 anos, que exercia violência física e psicológica contra a vítima, sua esposa de 57 anos, durante cerca de 36 anos de casamento. O detido, consumidor habitual de bebidas alcoólicas, ameaçava a vítima de morte, chegando mesmo a agredi-la com recurso a utensílios domésticos.

Estes dois últimos detidos foram presentes, no dia 18 de Outubro, ao Tribunal de Judicial de Matosinhos, ficando sujeito às medidas de coação de afastamento das residências e proibição de contactos por quaisquer formas ou meios com as vítimas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.