Manifestação pela Cultura: Muitas perguntas e poucas respostas perante ausência do governo

A Praça de Touros recebeu hoje, sábado, a Manifestação pela Cultura. Vários sectores da cultura juntaram-se, mas nem todos foram ouvidos.

Na entrada principal estavam centenas de flight cases, simbolizando a quebra abrupta de trabalho nesta área.

É bom ver gente de tantas áreas da cultura. Não é fácil juntar as diferentes áreas, excepto a nossa quinta“, disse Sandra Faria, da presidência da APEFE- Associação de Promotores de Espectáculos, Festivais e Eventos.

Acrescentou ainda que “o mercado dos eventos culturais foi dos mais afectados em todo o país“.

Destaque ainda para a intervenção do actor José Raposo que afirmou que “hoje devia estar aqui a senhora ministra. É uma coisa inacreditável” e questionou “como é que a TAP é mais importante que a cultura?“.

Outra intervenção a destacar foi a de Luís de Matos, ilusionista. Criticou as medidas do governo, e fundamentou as críticas, dando alternativas, fundamentando-as igualmente. Acusou o governo de tomar medidas “falsas e hipócritas“.

Esta manifestação foi promovida pela APEFE – Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos, reunindo vários agentes culturais na Praça de Touros do Campo Pequeno. Todas as áreas tiveram voz, excepto a tauromaquia. Numa manifestação realizada numa Praça de Touros…

Pelo palco instalado no interior do Campo Pequeno passaram nomes como a bailarina e coreógrafa Filipa Peraltinha, os acctores Ana Bola e José Pedro Gomes, o promotor de festivais João Carvalho, o comediante Bruno Nogueira, o ator José Raposo, a fadista Carminho, a Ass. Portuguesa de Artistas de empresas e artistas de Circo, a Academia Portuguesa de Cinema, a Academia Artes Escenicas e a Ass. de Produtores e Teatro de Madrid, o ilusionista Luís de Matos, o encenador Filipe Lá Féria, Pedro Abrunhosa, entre outros. Uns via vídeo, outros presencialmente.

Mas passaram ainda pelo palco a Ass Fonográfica Portuguesa, o músico Fernando Ribeiro, a cantadora Mariza Liz, o fadista Ricardo Ribeiro, a fadista Mariza e o autor Tiago da Silva.

Nas bancadas esteve também o sector da Tauromaquia, que se fez representar pelas várias associações que integram a Prótoiro.

Várias perguntas sem resposta, ausência total do governo e nomes sonantes como Tony Carreira ou Mariza a marcarem presença numa acção da qual se aguardam agora os resultados.

Como curiosidade: Havia limite máximo de 2000 pessoas na sala. Não esgotou.

Leia AQUI o manifesto da APEFE.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.