Ministra da Cultura emite nota de pesar pelo falecimento de Fernanda Lapa

Foto: João Miguel Rodrigues

A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, emitiu uma nota de pesar pelo falecimento da actriz Fernanda Lapa.

 

A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, manifesta uma profunda tristeza pela morte da atriz e encenadora Fernanda Lapa (1943-2020), figura ímpar da história do teatro português nos últimos cinquenta anos, que com o seu trabalho lutou por condições de igualdade entre mulheres e homens na encenação, interpretação e dramaturgia.

Natural de Lisboa, estreou-se nos palcos em 1963, pela mão de Fernando Amado, que a levou para a Casa da Comédia, com a peça “Deseja-se Mulher”, de Almada Negreiros. Nos palcos, como na vida, fez da luta pela igualdade de género tanto um propósito como uma lição. Como atriz, dos palcos ao ecrã, deu voz e corpo a mulheres fortes, marcantes, personagens que o público português sempre reconhecerá. Como encenadora e diretora artística foi um exemplo de abertura e cidadania, trilhando caminhos novos e transformando o teatro português com o seu rigor e com o seu empenho incansável.

Fruto desse empenho, fundou a Escola de Mulheres, de que era diretora artística e força motriz, um projeto modelar que desde o seu momento inicial tudo fez para promover a criação e o talento no feminino.

Foi atriz e encenadora, mas foi também professora e formadora de muitos dos nossos atores, seja na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, na Escola Superior de Teatro e Cinema ou na Escola de Artes da Universidade de Évora.

Foi distinguida em 2005 com a Medalha de Mérito Cultural pelo seu serviço de exceção na ação e divulgação cultural em Portugal e pelo seu papel pioneiro enquanto mulher no teatro. É esse mesmo mérito que hoje nos cumpre recordar e realçar, o de alguém que constantemente se transformou pela arte e, também, com arte, transformou o teatro português e, com ele, um pouco de nós.

O seu trabalho tanto nos encantou como fez de nós mais atentos, mais conhecedores e mais humanos, mostrando-nos, em cada um dos seus projetos, que o teatro e a arte da representação são dimensões fundamentais da vida em sociedade.

Na cultura portuguesa deixa um legado de paixão e dedicação, que deve sempre ser continuado, porque essa é a homenagem que merece e que lhe devemos: olhar e ver sempre os horizontes imensos que ela, para todos nós, abriu.

À Família e Amigos enviam-se sentidas condolências.

Graça Fonseca

6 de Agosto, 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.