Ministras do Mar e da Cultura inauguraram Centro de Documentação dos Portos de Lisboa e de Setúbal e Sesimbra

 

O Centro de Documentação dos Portos de Lisboa e de Setúbal e Sesimbra tem a partir de hoje residência no Barreiro, no Parque Empresarial Baía do Tejo, no Barreiro.

As instalações foram hoje inauguradas oficialmente, em cerimónia presidida pela Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e que contou com a presença da Ministra da Cultura, Graça Fonseca.

Ana Paula Vitorino recordou que “a área onde, a partir de hoje, abre as portas o Centro de Documentação dos Portos de Lisboa, de Setúbal e de Sesimbra conta já com o Museu Industrial da Baía do Tejo, o Espaço Memória (que inclui o arquivo histórico da CM do Barreiro), o Arquivo e Biblioteca Ephemera de José Pacheco Pereira, o Arquivo da Fundação Amélia de Mello (Arquivo da CUF) e o estúdio do artista VHILS, passando o Barreiro a ser uma referência e a ter uma marca da Cidade dos Arquivos. É minha convicção que tal permitirá ganhar uma atractividade acrescida e acelerar a renovação urbana e o desenvolvimento social deste território. Preservar e valorizar a história de Portugal na sua relação com o Mar, que nos confere o carácter universalista e reforça a nossa identidade e o posicionamento de Portugal na vanguarda da investigação e da literacia marítima.”

O evento contou ainda com a presença de Lídia Sequeira, presidente dos Portos de Lisboa e de Setúbal e Sesimbra do presidente da Câmara do Barreiro, Frederico Costa Rosa. Com esta iniciativa, a APL e a APSS centralizam os arquivos intermédio e histórico dos três portos num único espaço, no Barreiro.

O objectivo desta centralização é permitir que o acervo documental dos três portos sirva não apenas as respectivas administrações portuárias, mas também o público em geral e a comunidade científica.

O Centro de Documentação dos Portos de Lisboa e de Setúbal e Sesimbra terá a responsabilidade de custódia e disponibilização da documentação produzida no âmbito da actividade das autoridades portuárias. Promovendo também a divulgação e promoção da história e da importância destes portos e da actividade portuária para o desenvolvimento da Área Metropolitana de Lisboa, possibilitando, assim, a conservação da memória destas instituições.

Recorde-se a propósito que este território da Baía do Tejo no Barreiro reúne já vários arquivos como dos Portos de Lisboa, Setúbal e Sesimbra, do Centro de Documentação do Museu Industrial da Baía do Tejo, da Ephemera, do Espaço Memória do Município do Barreiro e da Fundação Amélia de Mello, que concentram um importante espólio de documentos e artefactos, essenciais para entender a história de Portugal e a sua evolução no século XX.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.