Nel Monteiro revela que “há artistas de nome que me devem dinheiro”

Este sábado, à tarde, a SIC transmitiu ‘Alta Definição’, com Nel Monteiro.

Numa entrevista conduzida, como habitualmente, por Daniel Oliveira, o cantor recordou a infância pobre e o amor pela música.

Às vezes tínhamos que andar a pedir“, revelou, desvendando que a mãe era doente e que isso o levou a viver quase sem ela.

Fui criado praticamente só com sopa. Nunca tive brinquedos nem nada. Os nossos brinquedos era o trabalho, mas os meus colegas também”, acrescentou.

Acesso a gás e luz era algo que também não tinha.

Em 1993 o pai faleceu. “Enterrei o meu pai com urgência porque embarquei para o Luxembrugo para fazer um espectáculo“.

Depois faleceu a mãe: “Penso nela porque a minha mãe para me dar a vida, a sua vida perdeu. E é verdade. A minha mãe deu a vida dela pela minha. Quando cheguei ao pé dela, doente no hospital, pensava que lhe ia dar uma grande alegria, mas dei-lhe uma grande tristeza. Quando lhe disse que estava feliz porque tinha sido aprovado para o serviço militar – era no tempo da Guerra Colonial… Ela já tinha problemas mentais e depois deixou de comer“, disse.

Até que morreu com desgosto porque pensava que eu ia morrer na guerra. Não morri na guerra, mas ela morreu“, acrescentou.

Sobre problemas financeiros, diz que “nunca pedi dinheiro a ninguém. Já emprestei dinheiro e fiquei sem ele. Há artistas de nome que me devem dinheiro, que eu não digo quem é, mas se não me pagam, entretanto, divulgo o nome deles porque se custa a vida a eles a mim também me custa“.

Para mim somos todos iguais, cada um tem o seu estilo, o seu público, a sua área… andamos todos a dar o nosso melhor“, disse sobre competição entre músicos.

Os cantores populares, ditos pimbas, somos nós que salvamos tanta gente. É na hora da verdade, quando alguém precisa de um medicamento caríssimo, de uma operação no estrangeiro, uma ambulância para os bombeiros, qualquer coisa, somos nós que vamos ajudar a custo zero…Se tenho 30 espetáculos por ano, sou capaz de ter uns 20 de borla“, explicou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.