31857375353_ae4c6afeb2_k

 

O jornalista Nuno Galopim foi uma das caras seleccionadas pela RTP para fazer parte de um fórum de ideias para pensarem numa nova forma, num novo registo para o Festival da Canção que no ano passado não aconteceu em Portugal, a última vencedora foi Leonor Andrade em 2015, mas que volta para uma edição renovada em 2017.

 

 

 

As duas primeiras semifinais do Festival da Canção acontecem nos dias 19 e 26 de Fevereiro e a grande final, que vai coincidir com a celebração dos 60 anos da RTP, acontece no Coliseu dos Recreios no dia 05 de Março e será apresentada por Catarina Furtado e Sílvia Alberto.

 

 

Vão reconhecer as canções, quem as canta e para além das canções concorrentes, os outros momentos musicais que estão preparados para acontecer durante as semifinais e a final. O que suceder naqueles 3 programas não destoará do que é o nosso quotidiano musical português. O que tentámos fazer foi reactivar uma relação de proximidade entre a música que se está a fazer em Portugal o festival da canção que muitos não tinham nas suas rotas de preocupação“, conta Nuno Galopim. Rita Redshoes, João Só ou Nuno Gonçalves foram alguns dos compositores convidados para estarem presentes no Festival da Canção de 2017.

 

 

Para Nuno Galopim, um dos membros do fórum de ideias que ajudou a planear esta nova edição, o público e mesmo alguns artistas estão afastados do Festival da Canção. Para o jornalista, a presença de novos compositores e cantores dos mais variados géneros musicais, que reflectem as diferentes vivências presentes na sociedade portuguesa, e servirão para aproximar o público, para que este volte a sintonizar na RTP para ver o maior evento da música portuguesa e que no passado parava o país para assistir a interpretações de artistas como Paulo de Carvalho, Simone de Oliveira e as Doce.

 

 

É muito importante renovar públicos em todos os certames caso contrário eles correm o risco de não conhecer, perder o sentido, consistência e depois, possivelmente, desaparecer e a renovação de públicos num festival de música que se quer actual, presente e incisivo precisa dos mais novos consigo e através de alguns compositores e muitas vozes. Isto sem abandonar os mais velhos que aqui estão porque é preciso termos todos juntos“, diz Nuno Galopim sobre a renovação dos públicos e a aposta em novos compositores e cantores presentes nesta nova edição do Festival da Canção.

 

 

O nosso objectivo era em primeiro lugar fazer um grande festival da canção. A Suécia começou a fazer isso há uns tempos com o Melodifestivalen. Começou a renovar a sua estratégia de canções para em primeiro lugar fazer um bom festival local e então já começamos a ver os resultados a nível Internacional. Nós estamos a renovar uma forma de trabalhar que poderá a vir ter consequências“, explica Nuno Galopim. 

 

 

Desde que o Melodifestivalen foi renovado, a Suécia já alcançou um primeiro lugar com o tema “Heroes” e recebeu a edição de 2016 que foi vencida pela Ucrânia, que vai organizar a edição deste ano mesmo que o país esteja a passar por alguns problemas, tanto a nível político como na organização do certame. Vários elementos da organização ucraniana da Eurovisão apresentaram a demissão.

 

 

Eu espero que seja o primeiro dia do resto das nossas vidas. É um recomeçar sem esquecer o passado que nos fez chegar aqui“, conta Nuno Galopim.

 

 

Em cinquenta e uma edições do Festival RTP da Canção, vários foram os nomes que fizeram parte do certame que parava o país e unia famílias em frente das televisões para ver as votações das diferentes delegações regionais que indicavam o grande vencedor do evento e o representante português na Eurovisão.

 

 

Há figuras diferentes consoante as épocas. Se eu tivesse que escolher um letrista, José Carlos Ary dos Santos, se tivesse que escolher um cantor escolhia as Doce“, diz o jornalista que como grandes vozes masculinas que marcaram o Festival da Canção nos anos 70 escolhe Paulo de Carvalho (“E Depois do Adeus”), Fernando Tordo (“Tourada”) e Carlos do Carmo (” Uma flor de verde pinho”).

 

 

As semifinais e a final podem ser vistos nos dias 19 e 26 de Fevereiro e no dia 05 de Março. Estes três programas podem ser vistos em directo na RTP e em horário nobre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.