“O Fim do Mundo” chega ao Canal História

historia

 

A superprodução “O Fim do Mundo” estreia no dia 12 de Fevereiro pelas 22:00 no canal História. Esta é uma série baseada nos mesmos fenómenos e mistérios pelos quais a humanidade está obcecada desde os dias da Bíblia: Como é que o mundo vai acabar? Será que a espécie humana vai sobreviver?

 

 

Há 65 milhões de anos, o impacto de um asteróide provocou uma série de catástrofes que levaram ao desaparecimento dos dinossauros. O que aconteceria se um corpo espacial com as mesmas dimensões voltasse a atingir o mesmo local? De que forma iria a humanidade enfrentar uma tempestade de pedras, mega tsunamis, incêndios fora do controlo, temperaturas próprias de uma fornalha e uma camada de ozono destruída? Quem iria sobreviver?    

 

 

A nova superprodução do canal História é uma análise detalhada aos desastres apocalíticos tão cataclísmicos que se acontecessem hoje, poderiam levar à extinção da humanidade: Desde gigantescos impactos de asteróides ou erupções vulcânicas ou repentinas explosões de energia provenientes do espaço, incluindo comentários de especialistas para explicar a plausibilidade destas situações que muitos de nós não queremos ser possível.

 

 

“O Fim do Mundo” é uma superprodução que mostra ao longo de dez episódios, 10 diferentes maneiras de destruir a Terra, analisando os desastres apocalípticos que se acontecessem hoje, poderiam levar à extinção da humanidade.

 

 

Em cada um dos novos episódios vai ser explorado uma teoria diferente, começando com um fenómeno estranho e assustador algures no globo: chuva de vidro que caem dos céus, um buraco na atmosfera, gravidade distorcida, avaria nas comunicações globais ou pandemias. Descobriu-se que estes são os efeitos de acontecimentos catastróficos, sendo que uma nova pesquisa revela que poderá vir a atingir o planeta Terra: uma colisão com um planeta errante, uma explosão de raios gama, uma erupção de metano no leito do oceano e uma guerra nuclear.

 

 

Neste novo programa pode ver como o Reino Unido, Alemanha, Espanha e França podem ser afetados. Por exemplo, as cápsulas do London Eye tornam-se vitrinas dos corpos de humanos mortos pela colossal explosão de raios gama; os famosos museus de Berlim. O Museum Island é inundado e desaparece como a Atlântida devido a inundações e tsunamis causados pela erupção de gás metano libertado do fundo do mar; os pináculos da Sagrada Família começam a soltar-se e a subir no ar por causa do eminente impacto de um planeta interestelar ou no Louvre, a famosa escultura sem braços da Vénus de Milo cai do pedestal, após um terramoto causado pelo facto da Terra se ter tornado um planeta interestelar. A tecnologia de CGI mostra como se pode preparar para o Apocalipse pendente ou se isto é o princípio do fim.

 

 

 

Em Fevereiro podem ser vistos os seguintes episódios:

 

 

– 1°Episódio: Asteroide Assasino (12 de Fevereiro às 22:00).

Há 65 milhões de anos, a colisão de um asteróide causou uma sequência de catástrofes que levou à extinção dos dinossauros. Mas o que aconteceria se um corpo espacial, do mesmo tamanho, voltasse a colidir com a Terra? Como é que os humanos modernos lidariam literalmente com uma chuva de pedras e resíduos sólidos, mega tsunamis, incêndios fora de controlo, temperaturas infernais e uma camada de ozono destruída? No rescaldo da destruição global, quem sobreviveria e quem morreria?

 

 

– 2° Episódio: Buraco Negro (12 de Fevereiro às 22:40).

A civilização humana está a ser atacada por uma ameaça catastrófica, mas invisível vinda do céu. Um buraco negro de proporções gigantescas aproxima-se da Terra, quase à velocidade da luz. À medida que este assassino celestial se vai aproximando cada vez mais do nosso planeta, as suas grandiosas forças gravitacionais começarão a causar sismos, erupções vulcânicas e tsunamis como nunca ninguém viu.

 

 

– 3° Episódio: Planeta Errante (19 de Fevereiro às 22:00).

Há duas vezes mais planetas errantes do que estrelas na galáxia. Por isso, o que poderia acontecer, se um planeta com anéis do tamanho de Neptuno estivesse em rota de colisão com a Terra? Num período de apenas quatro horas, à medida que as pessoas fugiam em pânico, a gravidade do planeta errante destruiria a Lua, causaria ventos supersónicos, activaria todas as fendas sísmicas e vulcões e, finalmente, destruiria a Terra.

 

 

– 4° Episódio: Mega Erupção (19 de Fevereiro às 22:40).

Pela primeira vez na História humana, uma enorme erupção vulcânica atinge a superfície da Terra. Ondas de choque explosivas destroem edifícios, torrentes de lava invadem cidades e um som ensurdecedor invade o globo. Um dia já trágico para o planeta Terra torna-se ainda pior quando os gases vulcânicos bloqueiam a luz solar, destruindo todas as cadeias alimentares e uma fome épica ameaça o próprio futuro da Humanidade.

 

 

– 5° Episódio: Guerra Nuclear (26 de Fevereiro às 22:00).

Rebenta a Terceira Guerra Mundial e um pesadelo nuclear torna-se realidade, quando milhares de bombas de hidrogénio destroem as maiores cidades do mundo. Uma devassidão letal de cinzas e destroços criam um “Inverno Nuclear”, mergulhando o planeta numa repentina Idade do Gelo. As sementeiras desapareceriam no mundo inteiro e a fome global levaria a Humanidade à beira da extinção.

 

 

– 6° Episódio: Explosão de Raios Gama (26 de Fevereiro às 22:40).

A explosão mais poderosa de radiação cósmica no Universo está prestes atingir o planeta Terra. Quando uma explosão de raios Gama proveniente da colisão de duas estrelas atinge a atmosfera, a radiação letal provoca mortes agonizantes e dízima de imediato metade do planeta. No outro lado do planeta, as Américas enfrentam uma morte mais lenta, à medida que a radiação ultravioleta e a fome ameaçam a extinção da raça humana. Como sobreviverão os últimos seres humanos?

 

 

 

“O Fim do Mundo” estreia no canal História no dia 12 de Fevereiro pelas 22:00.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.