“O Ministério do Tempo” traz os maiores heróis da história de Portugal à RTP

31546648221_f025c76edb_k

 

“O Ministério do Tempo” estreia no dia 02 de Janeiro às 21:00 e é a próxima grande aposta da RTP. Composta por dezasseis episódios, “O Ministério do Tempo” é uma adaptação da produção de sucesso da TVE. 

 

 

Do elenco principal da nova aposta da estação portuguesa fazem parte os actores Mariana Monteiro, João Craveiro, Sisley Dias, Luís Vicente, António Capelo, Andreia Diniz e Carla Andrino.

 

 

“O Ministério do Tempo” apresenta de uma forma impressionante e nunca antes vista na televisão portuguesa os quase nove séculos da História de Portugal. As figuras mais marcantes vão cruzar-se em encontros insólitos e originais que prometem prender ao ecrã toda a família.

 

 

Para Daniel Deusdado, a série “O Ministério do Tempo” tem todos os ingredientes para conquistar os portugueses. “Nós queremos sempre fazer o melhor trabalho possível. Achamos que este projecto tem uma qualidade que merece a atenção dos telespectadores“, afirmou o director de programas sobre a série que está prestes a estrear.

 

 

Já para Virgílio Castelo, consultor para a ficção da RTP, esta série é uma alternativa ao género de ficção mais comum em Portugal, as telenovelas. “Eu acho que os portugueses podem esperar uma grande alternativa ao que as estações privadas têm. Como foi dito, isto vai ser exibido à segunda-feira às 21:00. Nas privadas ainda estão a dar os jornais. Eu acho que o espectador tem uma grande alternativa que é ver uma ficção que se segue com muita facilidade, que é acessível a todos os públicos mas, ao mesmo tempo, tem uma componente de reflexão da história de Portugal que eu acho que o serviço público tem a obrigação de fazer“, diz o consultor para a ficção da RTP.

 

 

“O Ministério do Tempo” não será a única série da RTP a abordar factos da história de Portugal. A estação está a preparar novos trabalhos de ficção onde algumas femininas da história lusitana, como a Madre Paula de Odivelas, Snu Abecassis, Vera Lagoa ou Natália Correia vão ser as protagonistas. As séries em horário nobre são uma aposta cada vez maior da estação pública.

 

 

Os temas e as histórias da forma como as abordamos, no caso da RTP, têm que ser sempre multifacetadas e tentado chegar aos vários tipos de público que não estão nas televisões comerciais ou não as querem ver“, explica Virgílio Castelo, consultor para a ficção da RTP.

 

 

A nova aposta da RTP é a mais surpreendente série realizada em Portugal e conta com os mais avançados meios de produção. O trabalho de pré-produção de “O Ministério do Tempo” começou há um ano e as gravações dos dezasseis episódios demoraram cinco meses.

 

 

É o trabalho de um ano inteiro. Os maiores desafios foram a possibilidade de compatibilizar o orçamento com a ambição da série e os guiões. Essa foi uma enorme dificuldade. É uma experiência de mestria de gestão por parte deles e acho que, apesar de tudo, estamos a ter um produto de grande qualidade“, conta Daniel Deusdado sobre as maiores dificuldades em adaptar esta série à realidade portuguesa. O orçamento português é 10 vezes menor que o orçamento espanhol.

 

 

Eu acho é que a capacidade de desenrascanço é muito grande e há aqui soluções que foram encontradas sem dinheiro e que são absolutamente brilhantes. Têm que haver com o talento destes criadores, todos que fizeram isto. Foi adaptado pelo Pedro Marta Santos, pela Ana Marta Santos e pelo Tomás Nunez e, portanto, as adaptações estão muitíssimo boas“, diz Virgílio Castelo sobre o trabalho da Just Up, produtora responsável pela série que percorre os nove séculos da História de Portugal e onde figuras marcantes cruzam-se em encontros insólitos e originais que provocam enredos inesperados e situações fantásticas que prometem encantar espectadores dos 08 aos 80 anos. 

 

 

 

O Terramoto de Lisboa, as Invasões francesas ou a Batalha de Ourique são alguns dos momentos da história de Portugal que poderão ser vistos nesta série. No primeiro episódio que estreia no dia 02 de Janeiro às 21:00, intitulado de “O Tempo é o que é”, os portugueses vão conhecer pela primeira vez o Ministério do Tempo. Este tem como única missão garantir que ninguém viaja ao passado para alterar a história.

 

 

Para garantir que ninguém passa pelas portas do tempo, Salvador (António Capelo) criou uma equipa muito especial. O conhecido actor, que já entrou em projectos como ” Espírito Indomável” ou “Deixa que te leve”, acredita que este novo projecto de ficção possa ser marcante no panorama televisivo português.

 

 

Esta série é para mim aquilo que eu defendo para a ficção pois aborda a nossa história e a nossa cultura. Pode ser muito importante para a ficção nacional“, conta António Capelo sobre esta série que vai trazer ao pequeno ecrã alguns dos maiores heróis portugueses como Luís Vaz de Camões, Fernando Pessoa ou Afonso de Albuquerque. Estas personagens do imaginário social português vão aparecer e interagir com o núcleo central.

 

 

A líder da nova patrulha é Amélia Carvalho (Mariana Monteiro). Amélia é a primeira mulher a estudar na Universidade de Coimbra mas sente-se deslocada no seu tempo. Quando o Ministério lhe oferece a oportunidade de trabalhar no século XXI, onde as mulheres têm oportunidades com que Amélia pode apenas sonhar, ela não hesita. 

 

 

Para a jovem actriz, muito habituada ao género de telenovela, esta “É uma série que tem um registo internacional“. Na versão espanhola o papel da actriz que anteriormente pode ser vista em “Coração de Ouro”, da SIC, foi feito por Aura Garrido.

 

 

A acompanhar Amélia vai estar o cavaleiro do século XVI Afonso Mendes de Noronha (João Craveiro). Depois de ser vítima de uma terrível intriga na corte, o rei D. João III condena-o à morte. Horas antes da sua execução, Afonso recebe uma proposta do Ministério do Tempo. Afonso aceitou e tornou-se no homem da segurança. É ele quem vai salvar a patrulha, e muitos dos heróis da nossa história, em momentos de maiores dificuldades.

Tal como na história, João Craveiro diz que a equipa envolvida nesta série “É uma equipa muito unida e o resultado está à vista“.

 

 

O terceiro elemento desta equipa é Tiago Silva (Sisley Dias) um técnico do INEM de 2016. Nasceu em 1986 e, apesar de ter apenas 31 anos, já tem uma longa e triste história de vida. Casou cedo com Mariana, a sua paixão de adolescente mas enviuvou em 2013. Na Protecção Civil é conhecido como um agente perigoso, sempre pronto para as missões suicidas, sem apreço pela sua vida nem cuidado com a dos seus colegas Quando o Ministério do Tempo o contacta, Tiago aceita pois poderá viajar ao passado para visitar o amor da sua vida.

 

 

Depois da presença na telenovela “Os Nossos Dias”, Sisley Dias volta a trabalhar com a RTP. “Só tenho que agradecer à RTP por apostar num produto diferente que me deu muito prazer fazer”, diz o actor de 28 anos.

 

 

Mariana, Afonso e Tiago vão ser ajudados nas suas missões por Irene (Andreia Diniz), uma superagente. Esta agente nasceu em 1930 e foi recrutada para trabalhar no Ministério do Tempo. Aceitou o trabalhado pois no século XXI a homossexualidade não é tabu e poderá viver a vida que quer.

 

 

Para Andreia Diniz, que anteriormente fez parte do elenco de “Poderosas”, da SIC, esta série tem todos os ingredientes para ser um sucesso. “Apelo ao público para que nos dê a oportunidade de ver. Às vezes as pessoas nem sequer dão a oportunidade e não vêem. O facto de ser às 21:00 é provavelmente uma mais-valia e acho que as pessoas depois de verem são capazes de ficarem agarradas. Nós actores, que já fizemos tanta coisa, damos connosco agarrados aos guiões“, diz Andreia Diniz sobre este projecto que lhes saiu da “pele“.

 

 

“O Ministério do Tempo” é um projecto que mistura acção, historia, aventura e alguma comédia que ficará a cargo, em parte, da personagem de Rui Neto.

 

 

A minha personagem vai ser o Nuno Gonçalves que é o pintor português que é mencionado como o autor dos Painéis de São Vicente mas é uma figura um pouco enigmática pois não há muita informação histórica sobre ele. Há alguma dúvida se terá sido ele mesmo o autor dos painéis, se terá existido, o que terá pintado, qual era o espólio dele. Corresponde nesta série quase aqueles retratistas que fazem os retratos robôs quando há investigações criminais tipo CSI. Não é um agente de aventura como os outros. É agente de escritório mas tem esse desejo de querer ir para a aventura“, conta Rui Neto sobre a sua personagem que no original espanhol correspondia ao pintor Velásquez.

 

 

“O Ministério do Tempo” estreia no dia 02 de Janeiro às 21:00 na RTP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.