Operação Páscoa já com 22 feridos graves e 1 morto

 

 

Nos três primeiros dias da Operação “Páscoa”, de 18 a 20 de Abril, a Guarda Nacional Republicana (GNR) registou os seguintes dados operacionais, em resultado das acções desencadeadas pelos militares dos Comandos Territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito que, diariamente, estão empenhados no patrulhamento rodoviário e na prestação de auxílio aos condutores, para que estes cheguem aos seus locais de destino em segurança:

· 13 300 condutores fiscalizados, dos quais, 236 conduziam com excesso de álcool e, destes, 101 foram detidos por conduzirem com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 1,2 g/l. Foram ainda detidas 34 pessoas por conduzirem sem habilitação legal;

· Das 4 079 contra-ordenações rodoviárias detectadas, destacam-se:

– 1 614 por excesso de velocidade;

– 182 por falta de inspecção periódica obrigatória;

– 176 por anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização;

– 128 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução;

– 114 por falta ou incorrecta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças;

– 75 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório.

Neste período, a GNR registou 615 acidentes rodoviários, de onde resultaram 22 feridos graves e uma vítima mortal. O acidente que envolveu uma vítima mortal, tratou-se de uma colisão entre três veículos, no concelho de Valença, resultando em cinco feridos (dois feridos graves e três feridos leves) e uma vítima mortal, um homem, de 34 anos, sendo este passageiro de uma das viaturas.

A GNR continuará a ter especial preocupação com os comportamentos de risco dos condutores, sobretudo os que ponham em causa a sua segurança e a de terceiros. Assim, os militares estarão particularmente atentos:

A manobras perigosas;

À correta sinalização e execução de manobras de ultrapassagem, de mudança de direcção e de cedência de passagem;

À utilização indevida do telemóvel;

À condução sob a influência do álcool e substâncias psicotrópicas;

Ao excesso de velocidade;

À incorrecta ou não utilização do cinto de segurança e/ou dos sistemas de retenção para crianças;

Às condições de segurança dos veículos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.