Pêro Pinheiro: Desmantelamento de local de abate ilegal de animais

 

O Comando Territorial de Lisboa, através do Destacamento Territorial de Sintra, no dia 11 de Agosto, desmantelou um local de abate ilegal de animais, situado nas instalações de uma exploração agrícola, na freguesia de Pêro Pinheiro.

No decorrer do patrulhamento diário, os militares detectaram um anormal número de veículos junto a uma exploração agrícola e, ao aproximarem-se do local, apuraram que ali estava a ocorrer o abate clandestino de animais de raça ovina e caprina cujo destino era a sua venda para consumo público, sem que fosse sujeita a qualquer controlo de qualidade, colocando em risco os eventuais consumidores.

Os militares apuraram que haviam já sido abatidos mais de 30 animais, sendo que, no local de abate, nem existiam condições sanitárias, nem se encontravam a ser respeitadas as normas de abate de animais, principalmente no que diz respeito ao bem-estar animal. Para além disso, não estava a ser acautelado o correto encaminhamento dos restos mortais e dos subprodutos que não se destinavam ao consumo humano, tendo sido acionados meios através do Gabinete Médico Veterinário Municipal da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), de forma a que se procedesse ao correto tratamento e encaminhamento desses restos mortais dos animais, alguns já em avançado estado de putrefacção.

No decorrer da acção, foram apreendidos diversos objectos destinados ao abate e desmanche dos animais, destacando-se uma serra eléctrica e 11 facas. Foram ainda resgatados 11 animais vivos que estavam destinados ao abate ilegal e identificados 15 compradores de carne que se encontravam no local.

O proprietário da exploração agrícola, antigo proprietário de um talho na localidade de Pêro Pinheiro, foi constituído arguido e os factos remetidos ao Tribunal Judicial de Sintra.

Na acção estiveram presentes militares do Posto Territorial de Pêro Pinheiro, do Núcleo de Protecção Ambiental de Sintra, o gabinete médico veterinário da Câmara Municipal de Sintra (CMS) e uma equipa de inspectores da ASAE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.