Política, futebol e crime dominaram as notícias em 2016

primage_18094

 

Com o ano a acabar e com as habituais “Revistas de Imprensa” a serem realizadas em diversos órgãos de comunicação social, a Cision apresentou uma análise às “Entidades mais Faladas nas Notícias em 2016”. Esta análise revela que a Política, o Futebol e o Crime são os temas mais vezes referidos nos media portugueses.

 

 

A política portuguesa e internacional, durante o ano, fez manchete nos jornais e era a notícia de abertura de diversos boletins informativos. Pouco mais de um ano após as eleições legislativas e da consequente aliança entre os países de esquerda, que resultou numa solução inédita na democracia portuguesa, o governo foi a organização mais falada pelos media portugueses, com mais de 200 mil referências (205.128, em concreto). O primeiro-ministro, António Costa, acabou por ser também o nome mais recorrente nas notícias nacionais, tendo sido mencionado por 124.767 vezes.

 

 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, viu o seu nome referido 111.156 vezes, estando à frente do Partido Social Democrata (87.226). O Partido Socialista, força política que lidera o executivo, está presente em 78.326 notícias. A Assembleia da República, o órgão legislativo que assumiu particular relevância nesta legislatura, conta com 70.908 referências. Seguem-se o sempre importante Ministério das Finanças, liderado por Mário Centeno (70.000) e o Bloco de Esquerda, um dos partidos que suporta o actual Governo (66.070).

 

 

Com 65.513 menções, a Comissão Europeia é a única entidade internacional que integra a lista das mais faladas em 2016. 

 

 

Voltando à política portuguesa e falando do terceiro partido que sustenta a “Geringonça”, o Partido Comunista Português, teve 60.123 alusões nas notícias. No lado da oposição, o CDS/PP foi referido 59.823 vezes e Pedro Passos Coelho ( lider do PSD) viu o seu nome aparecer nos noticiários 55.486 vezes.

 

 

Da polémica do salário do presidente à saída de António Domingues, apenas quatro meses depois de ter entrado em funções, passando pelo processo de recapitalização, a Caixa Geral de Depósitos foi um tema iminentemente político e teve presença assídua nas notícias, com 48.560 referências.

 

 

No que toca ao crime, a Guarda Nacional Republicana foi tema recorrente nos noticiários nacionais no último ano. Boa parte das 82.264 alusões a esta força de segurança deveu-se à “caça ao homem” a Pedro Dias, o suspeito de matar duas pessoas em Aguiar da Beira, entre elas um militar da GNR, e que esteve em fuga durante 28 dias, antes de se entregar às autoridades num exclusivo emitido pelo programa da RTP, “Sexta às 9”.

 

 

Durante esta “caça ao homem”, a Polícia de Segurança Pública consolidou a sua presença nos meios de comunicação que dão particular atenção ao mundo do crime, como é o caso da CMTV, que ao longo do ano se afirmou como o canal mais visto na televisão por cabo, com um total de 62.259 referências.

 

 

No que toca ao desporto, ao futebol em específico ,e tal como aconteceu na Liga 2015/16, o Sport Lisboa e Benfica foi também o vencedor deste “campeonato” particular entre os “três grandes”. Os campeões nacionais foram referenciados num total de 182.191 peças jornalísticas, superando as 164.039 do Sporting Clube de Portugal e as 146.503 do Futebol Clube do Porto. Convém frisar que, apesar de a maioria da informação estar relacionada com o futebol, também houve muitas referências a estes clubes que se deveram às diversas modalidades que estes albergam.

 

 

A conquista do Campeonato da Europa é um dos acontecimentos que marca o ano de 2016. Os campeões europeus foram citados em 65.564 notícias. A equipa que brilhou na França teve grande destaque nos media durante o Euro 2016 e nas semanas antes e depois da competição, mas teve pouca presença no resto ano.

 

 

 No último lugar do top, mas no topo do mundo, está Cristiano Ronaldo. O vencedor da Bola de Ouro, e provavelmente o português mais famoso do mundo, foi falado em 47.136 notícias.

O estudo elaborado pela Cision teve como finalidade apurar as entidades que mais se destacaram na agenda mediática nacional no ano de 2016. Através do algoritmo Cision de análise textual foi encontrado um conjunto de pessoas e organizações que mais se notabilizaram nos órgãos de informação. Estas palavras foram posteriormente sujeitas a uma pesquisa para se chegar ao número final de referências que cada uma delas obteve nos órgãos de comunicação social. 

 

 

Desta forma, foi possível estabelecer um ranking das entidades mais mediáticas do ano de 2016. O objecto de análise deste estudo, realizado pela Cision, líder global em Media Intelligence, são todas as notícias veiculadas no espaço editorial português, em mais de 2.000 meios de comunicação social (televisão, rádio, online e imprensa). O período temporal sobre o qual incidiu o estudo foi o período decorrido entre os dias 1 de Janeiro e 15 de Dezembro de 2016, num total de mais de cinco milhões de artigos analisados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.