GalaILGA@TimeOut-6680

 

O Estúdio Time Out acolheu na noite de ontem a 14ª entrega dos Prémios Arco-Íris por parte da ILGA Portugal e que tem como objectivo premiar pessoas ou entidades que se tenham destacado na defesa da igualdade e contra a homofonia.

 

 

A cerimónia deste ano, contou com entrada livre, teve em Rita Ferro Rodrigues como apresentadora que fez uma revelação: “Em 20 anos de carreira é a vez que tenho mais honra em subir a  palco no meu pais. Até estou nervosa que por norma é uma cena que não me assiste”.

 GalaILGA@TimeOut-4013

CoLeGaS – Coro Lésbico, Gay e Simpatizante, abriram o espectáculo com duas interpretações intensas e bem conseguidas. Seguiu-se uma rábula, constante ao longo de todo o espectáculo entre a apresentadora e o “Cãominado”, um personagem fictício que ia surgindo no ecrã gigante com uma graça genuína, mesmo que interrompendo a apresentadora constantemente. A interacção entre os dois teve momentos muitos divertidos e ninguém levou a mal esta intromissão do cão na festa.

 GalaILGA@TimeOut-3992

 

GalaILGA@TimeOut-4017

A jornalista Catarina Marques Rodrigues foi a primeira premiada a subir a palco. A reportagem, “A vida no Colégio Militar: “Parece um Big Brother”,  debruça-se sobre modelos de educação e igualdade de género, denunciando a discriminação em função da orientação sexual vivida nesta instituição”. Após receber o prémio revelou que enquanto houver pessoas que não possam ser o que realmente são, ela estará na primeira linha de combate para dar a conhecer essas histórias.

 GalaILGA@TimeOut-4031

 

GalaILGA@TimeOut-4034

A TAP e a LUSH foram também premiadas pelas boas práticas empresariais. Relativamente à TAP, “depois de ter lançado um passatempo que teve também como vencedor um casal de mulheres, os comentários de ódio inundaram os canais de comunicação desta companhia aérea, que nem por isso deixou de atribuir o prémio ou de fazer notar o cumprimento da Constituição, apelando em resposta a todos os comentários homofóbicos para a importância da inclusão e do uso de linguagem adequada e não ofensiva, numa gestão exemplar de um caso claro de discurso de ódio e homofobia online”. Já a LUSH, “decidiu lançar a campanha “TRANSformando o Mundo”, que não só apelou à participação de todos e todas para “Limpar Preconceitos” em relação às pessoas trans, como também se constituiu como um momento de formação para a equipa de trabalho da própria empresa, que está agora mais apta para contribuir diariamente para a igualdade das pessoas LGBT”. As responsáveis pela TAP recordaram os prémios ganhos em 2016 e destacaram o facto de este ser o primeiro em 2017, já a LUSH congratulou-se pelo prémio e agradeceu à ILGA o apoio dado na campanha.

GalaILGA@TimeOut-4051

 

GalaILGA@TimeOut-4053

 

O programa “E se fosse consigo?” transmitido pela SIC e que contou com a apresentação de Conceição Lino e com o genérico da autoria de Carlão e Boss AC foi também premiado. O programa “testa a nossa capacidade de intervenção perante situações de discriminação”. Conceição Lino destacou que “todos podemos ser melhores do que aquilo que somos” e que “a ILGA em 20 anos fez conquistas que muitos acharam impossíveis”. Já Carlão alertou que “não há programas de autor, de debate sério… Há programas de futebol, gosto de futebol mas não vejo programas sobre futebol, há entretenimento fútil…” e que o facto de o convidarem para este género de programas de intervenção o desafia pois obriga-o a encarar os problemas de frente, mostrando-se grato por isso.

 GalaILGA@TimeOut-4079

 

GalaILGA@TimeOut-4089

 

Rita Redshoes trouxe o melhor momento musical da noite. Dois temas, um dos quais “Mulher”, interpretados com alma, dicção perfeita e uma sensibilidade ao alcance de poucos. Brilhante!

 GalaILGA@TimeOut-4100

 

Afirmando-se como homem gay no seguimento do atentado de Orlando e já depois de vários posicionamentos públicos contra a homofobia e a transfobia, Rui Maria Pêgo juntou-se à lista crescente de figuras públicas que contribuem para a visibilidade da causa LGBT em Portugal, tornando-se em mais uma importante referência junto das tantas pessoas que ainda não conseguiram sair do armário do medo, da invisibilidade e do silêncio”. Na entrega do prémio, Rui Maria Pêgo proporcionou momentos hilariantes de uma forma natural e inteligente. Aliás, foi dos poucos que não teve um discurso cliché, dizendo o que todos pensam de uma forma divertida. Um dos momentos da noite. Classificou este momento, recepção do prémio, como “surreal”, “surpreendente” e mostrou-se “nervoso” e “feliz”.

 GalaILGA@TimeOut-4134

 

GalaILGA@TimeOut-4156

 

Outro dos premiados da noite foi o filme “Jogo de Damas”, de Patrícia Sequeira. “Rita Blanco, Maria João Luís, Ana Nave, Ana Padrão e Fátima Belo constituem o elenco do filme “Jogo de Damas”, escrito por Filipa Leal e realizado por Patrícia Sequeira. Este é um filme de mulheres e sobre mulheres que nos vem lembrar que a orientação sexual continua a estar bem no centro dos conflitos familiares e a ser motivo para medos e silêncios dentro das relações de amizade. Pensar, desenvolver e representar personagens lésbicas ou bissexuais é fundamental para que as longas metragens portuguesas continuem a sair do armário”. Na entrega do prémio, destacou-se Rita Blanco com a habitual ironia e sentido de humor, deixando contudo uma mensagem sucinta mas forte, “o amor quando nasce é para todos”.

 GalaILGA@TimeOut-4166

 

GalaILGA@TimeOut-4173

O último prémio da noite foi atribuído à Assembleia da República, pelo fim da discriminação da procriação médica assistida. “Em Abril de 2016, o Parlamento decidiu finalmente alargar a PMA a todas as mulheres, promovendo também os seus direitos sexuais e reprodutivos. Depois da igualdade no acesso à adopção e co adopção, cumpriu-se finalmente a igualdade no acesso à parentalidade”. Jorge Lacão, vice-presidente da assembleia, acompanhado por alguns deputados, receberam o prémio e fizeram um discurso marcadamente político.

 GalaILGA@TimeOut-4195

 

GalaILGA@TimeOut-4197

A última actuação da noite esteve a cargo de Carlos Costa. Uma actuação com falhas técnicas. O artista que conta com um excelente aparelho vocal, continua a apostar numa postura arrojada, tão arrojada que no último tema, até o playback foi mal feito. Um talento que teima e tarda em mostrar tudo o que de bom tem em termos vocais, perdendo-se em acessórios.

 GalaILGA@TimeOut-6644

 

GalaILGA@TimeOut-6653

 

GalaILGA@TimeOut-6659

 

GalaILGA@TimeOut-6688

 

Antes da entrega dos Prémios Arco-Íris, o Infocul falou com Nuno Gonçalves, por parte da direcção da ILGA, que nos revelou que “estamos na 14ª edição e o objectivo é premiar individualidades e instituições que se tenham destacado no ano anterior, na defesa dos direitos das pessoas LGBT e contra a discriminação na igualdade de género e orientação sexual”. O responsável disse ainda que “continua a haver muita discriminação, felizmente em 2016 terminámos a descriminação baseada na orientação sexual e identidade de género na lei”, sendo que “no entanto ainda há muito trabalho no terreno para fazer”. Destacou ainda que “há muita gente que está silenciada, principalmente fora dos grandes centros urbanos de Lisboa e Porto”.

 

 

 

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6327 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.