Cineteatro D. João V recebe António Manuel Ribeiro, Rogério Charraz, António Pinto Basto e revista à portuguesa em Janeiro

Cineteatro D. Joao V

 

No mês de Janeiro a música vai estar em grande na programação cultural do Cineteatro Municipal D.João V. Para além de três concertos com António Pinto Basto, Rogério Charraz e António Manuel Ribeiro, uma divertida comédia musical chega à Amadora pelas mãos de Carlos Areia e companhia.

 

 

António Pinto Basto actua no Cineteatro Municipal D.João V no dia 20 de Janeiro às 21:30. Após gravar, em 1988, o sucesso “Rosa Branca”, um fado escrito pelo seu avô João, cujas vendas atingiram o disco de platina e renderam cerca de 120 espectáculos em apenas um ano.

 

 

António Pinto Basto têm-se dedicado exclusivamente ao fado. Em 1989 editou o álbum, “Maria” (1989), que repetiu o sucesso de vendas. A estes sucessos seguiram-se os álbuns “Confidências à Guitarra”, a colectânea “Os Grandes Sucessos de António Pinto Basto” e “Desde o Berço” (1996). Fez parte do grupo. Fez parte do grupo Quatro Cantos que recuperou grandes nomes do fado.Para além de Portugal tem actuado em países como Brasil, India, Canadá, Estados Unidos da América e China sempre com grande sucesso.O bilhete para o espectáculo de António Pinto Basto actua custa 10 euros.

 

 

Passando do Fado ao Rock, Rogério Charraz homenageia Rui Veloso no espectáculo “Chico Fininho”. Esta é uma celebração dos 35 anos de carreira de um dos músicos mais consensuais e admirados da música Portuguesa. Um desfile de canções que marcaram várias gerações de portugueses, entre os quais os cinco magníficos músicos que prestam este tributo, onde não faltam algumas das pérolas menos divulgadas pelas rádios.

 

 

Do mítico “Ar de Rock” ao mais recente “A Espuma das Canções”, nenhum disco ficará de fora desta viagem pelo Porto, pelos Blues, pelo Rock, pelas canções de amor e por todos os elementos que fazem parte da brilhante história de Rui Veloso, que é também uma parte importante da história dos últimos 35 anos dos portugueses. 

 

 

Este espectáculo pode ser visto ser visto no dia 21 de Janeiro, domingo, às 21:30. O bilhete para o concerto de Rogério Charraz custa 10 euros.

 

 

“Há sempre uma história”, com o António Manuel Ribeiro. Em cada canção, que os discos receberam e o público tornou como suas, há histórias guardadas, algumas secretas. António Manuel Ribeiro, provavelmente o mais prolífero songwriter português da actualidade, apresenta-se num espectáculo em que a voz e a guitarra (várias guitarras acústicas) recriam o universo original de um lote de canções muito queridas.

 

 

Na noite do dia 27 de Janeiro, às 21:30, no palco do Cineteatro D. João V, na Damaia, as canções de sempre e canções esquecidas regressarão ao formato de onde um dia partiram: o cantor e o contador de histórias na intimidade. Com a estreia de alguns inéditos. O António terá em palco a companhia de dois convidados especiais: Ivan Cristiano (percussão) e António Côrte-Real (guitarra acústica). O bilhete para este concerto custa 10 euros.

 

 

“E porque não emigras?”. Esta é uma comédia musical inspirada na Revista à Portuguesa em que, durante duas horas, lhe damos todos os motivos para não emigrar! Carlos Areia, autor e encenador (diz ele), faz do espectáculo de Revista a sua bandeira, (é bonito!). Mas o pior, é ele pensar que tem graça, o que é uma desgraça para o espectáculo.

 

 

Patrícia Candoso e Ana Ferreira, actrizes e cantoras (dizem elas), têm uma visão do espectáculo muito mais à frente, gostam de teatro interveniente, que o público saia da sala a pensar (não sabemos muito bem em quê). A elas junta-se Rosa Soares, actriz (diz ela), com a intenção de convencer o autor a criar outro tipo de espectáculo. E como uma desgraça nunca vem só, aparece Paulo Patrício que quer ser actor mas é contratado como mulher de limpezas, o que para já, nos dá a garantia de um espectáculo limpinho.

 

 

Para bem do País, da reforma agrária, da desertificação do interior, das pescas, os cinco têm que se entender ou o melhor é mesmo emigrar pois a única garantia que eles dão é uma boa dose de gargalhadas.

 

 

A comédia musical “E porque não emigras?” pode ser vista no dia 28 de Janeiro, pelas 21:30. Os bilhetes custam 10 euros.