FESTin: A sétima edição do festival de cinema que homenageia a língua portuguesa

A apresentação do Festival aconteceu esta terça-feira, dia 12 de Abril, no Hotel Flórida, em pleno Marquês de Pombal. A sala Monumental do hotel recebeu a apresentação do festival que é muito mais que uma celebração do cinema luso lusófono.

O FESTin surgiu de uma conversa entre as jornalistas Adriana Niemeyer e Lea Teixeira, directoras do festival. “Estávamos a cobrir um festival e pensámos que não havia um festival que cobrisse a totalidade da língua portuguesa. Começámos a brincar mas a ideia ficou cada vez mais séria e forte. Apresentámos a ideia ao São Jorge, eles gostaram e tornaram-se nos nossos parceiros“, conta Adriana Niemeyer sobre a criação do FESTin.

 

 

E como a língua é o principal vector de ligação entre os países da CPLP, este certame celebra os filmes em português. Este é o ano da sétima edição. O FESTin já é conhecido a nível internacional e é conhecido como um dos maiores divulgadores do cinema em língua portuguesa.

 

 

O sétimo ano é sempre especial. Este festival tem um grande peso da produção brasileira e a produção africana está a ganhar cada vez maior destaque, nem que seja nos documentários. Acreditamos que a partir do sétimo ano poderemos descolar“, diz Adriana Niemeyer. Os actores Lázaro Ramos, Adriana Esteves e Nathalia Dill são os protagonistas de alguns dos filmes brasileiros que podem ser vistos no FESTin. “O objectivo do FESTin é unir todos os países de língua portuguesa. Queremos que as crianças vejam os diferentes sotaques da língua portuguesa”, refere Adriana Niemeyer.

 

 

Eles são nossos parceiros. Queríamos uma actividade para incentivar as crianças. Filmes de animação em língua portuguesa são muito raros. Esperemos contar com a comunidade de língua portuguesa para incentivar a indústria do audiovisual“, adianta Lea Teixeira sobre o papel da CPLP no festival. As crianças vão ser convidadas a ir à sede da comunidade de países de língua portuguesa para ouvirem várias lendas dos diferentes países. “É muito importante para reforçar às pessoas o que é a CPLP, vão aprender desde pequeninos“, reforça Vítor Serra, outro dos responsáveis pelo evento. A mostra vai realizar-se na sede da CPLP, nos dias 9 e 10 de Maio pelas 10:00.

 

 

O certame deste ano conta com setenta e quatro filmes entre longas e curtas-metragens que vão ser avaliadas pelo júri oficial e pelo voto do público. O realizador Halder Gomes, que esteve com um filme em Hollywood, é um dos membros do júri da competição de longas-metragens. Esta competição traz onze filmes, seis documentários e vinte curtas. Para além destes e outras secções mais tradicionais como a Mostra de Cinema Brasileiro; a Mostra de Inclusão Social; o FESTin+ ou a Festinha, o aspecto experimental sai reforçado com uma nova rubrica, o FESTin Arte. “Clarisse , ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois” vai inaugurar a nova rubrica e “Jonas” vai encerrar a Mostra Brasileira do festival.

 

 

O primeiro filme deste ano é inspirado na obra de Fernando Pessoa.

 

 

Foi um ano com uma selecção muito difícil porque tivemos muito material e bom. Temos uma boa selecção de longas e curtas-metragens. Temos uma co-produção entre Brasil e Portugal. Gostamos muito de trabalhar com co-produções“, explica Niemeyer referindo-se a “Beatriz”, onde Lisboa brilha na fotografia;”

 

 

“Histórias de Alice”, que conta com um elenco de luxo e “Touro”, que vai buscar a singularíssima história de uma ilha brasileira que tem na figura de D. Sebastião a sua principal personagem e conta com Joana Verona como protagonista. Estes são alguns dos trabalhos que podem ser vistos na amostra.

 

 

Esta edição acontece, como sempre, no Cinema São Jorge e é realizado em parceria com a EGEAC.

 

 

O São Jorge é o nosso cinema predilecto em Portugal“, conta Lea Teixeira sobre o local que recebe o festival desde o primeiro ano. Algumas das novidades do FESTin deste ano são os espaços dedicados aos jovens, aos mais idosos e para quem gosta de um cinema mais experimental. A sétima edição do FESTin vai homenagear todos os países da CPLP, que festeja 20 anos.

 

 

Esperamos sempre mais. Esperamos que o público compareça em maior número e que gostem dos filmes. Que participem de todas as actividades, que é o nosso objectivo , e que divulguem o cinema em língua portuguesa para este chegar cada vez mais longe. No ano passado tivemos várias itinerâncias em conjunto com o Instituto Camões e a Fundação Oriente. Estivemos na Guiné-Bissau, Timor e fomos a Angola. Queremos continuar nesses países e noutros que não falam português mas onde o FESTin esteve“, responde Lea Teixeira quando questionada acerca das expectativas para esta edição.

 

 

Não tem diferença. Temos uma linha muito específica e como tal ficamos um bocado condicionados. Por um lado é bom, pois temos um objectivo em comum, mas por outro lado é um bocado redutor. A qualidade dos filmes vai melhorando a cada ano. Esperamos, este ano, que venha muita gente ao cinema. Levamos o cinema às pessoas“, conta Adriana sobre o objectivo do festival e as diferenças do festival de um ano para o outro.

 

 

O público tem aceitado muito bem o festival e, por vezes, pergunta o porquê de não existirem mais filmes africanos e nós temos que explicar que lá a produção é pequena. Não é fácil organizar um festival em língua portuguesa porque os apoios são cada vez mais pequenos e faltam filmes“, explica Lea Teixeira.

 

 

Para além dos filmes, vai haver uma mesa redonda com o tema: “O cinema como forma de fomentar o turismo”, no dia 5 de Maio, às 18:30. O FESTin acontece no Cinema São Jorge de 4 a 11 de Maio. Os bilhetes para o festival estarão à venda na Ticketline e na bilheteira do São Jorge a partir de quarta-feira e têm um custo de 3,00€( bilhete normal). Lea Teixeira deixa-nos um pequeno um pequeno convite:” vamos ter muitos filmes interessantes. Não podem perder!”.