Morreu o realizador Bernardo Bertolucci

 

 

Morreu Bernardo Bertolucci, avança o La Repubblica.

 

 

O realizador morre aos 77 anos, vítima de doença prolongada. Autor de obras-primas como o Último tango em Paris (1972) e o O Último Imperador (1987) despediu-se dos ecrãs da vida, em Roma.

 

 

Os seus filmes de estilo visual colorido, movimentos de câmara longos e complexos, e a sua fama como poeta deram-lhe reconhecimento internacional como um mestre do cinema. Bertolucci também realizou outros filmes icónicos como Um Chá no Deserto (1990), Os Sonhadores (2003) e Io e Te (2012).

 

 

Nascido a 16 de Março de 1941, em Parma, frequentou a Universidade de Roma. Foi assistente de direcção de Pier Paolo Pasolini no filme Accattone (1961) e dirigiu La commare secca (1962).

 

 

O seu segundo filme, Antes da Revolução (1964), lançado em 1971, foi nomeado para o Oscar de melhor argumento. O mesmo aconteceu com O Último Tango em Paris (1972), para melhor realizador.

 

 

Foi, porém, O Último Imperador que lhe deu o galardão de melhor argumento e melhor filme, entre nove óscares atribuídos a esta longa-metragem.

Recebeu, em 2011, o prémio de carreira no festival de cinema de Cannes.

 

 

Há dois anos, em Dezembro de 2016, o realizador foi alvo de uma polémica por causa de uma cena de O Último Tango em Paris. Protagonizado por Marlon Brando e Maria Schneider, ele tinha 48 anos e ela 19, numa das cenas o actor viola a jovem. Voltou a ser debatida depois de a imprensa internacional ter revelado uma entrevista onde o realizador admitiu ter decidido a utilização da manteiga naquela manhã de filmagens e em conjunto com Marlon Brando. Maria Schneider chegou a acusar o actor de a ter feito sentir que tinha sido violada.

 

As cenas de nudez nos seus filmes eram frequentes, bem como a referência a filmes clássicos e a pintores famosos ou movimentos artísticos.

 

Fotografia: D.R