Arruda dos Vinhos: Francisco Palha destacou-se em noite complicada

Arruda dos Vinhos: Francisco Palha destacou-se em noite complicada para os cavaleiros.

Arruda dos Vinhos: Francisco Palha destacou-se em noite complicada

Texto: Rui Lavrador
Fotografia: Rute Nunes e Carlos Pedroso

A Praça de Touros de Arruda dos Vinhos recebeu, esta quarta-feira, 16 de Agosto, a primeira de duas corridas de touros da Feira Taurina que anualmente ali se realiza.

Frente a touros de Luís Rocha, actuaram os cavaleiros Marcos Bastinhas, Francisco Palha e o rejoneador Andrés Romero.

As pegas ficaram a cargo dos grupos de forcados amadores de Azambuja, Cartaxo e Arruda dos Vinhos.

Antes das cortesias foi guardado um minuto de silêncio em memória de 3 personalidades da tauromaquia falecidas (Luís Sarmento, Eduardo Guedes Queiroz e ainda o forcado ‘Pitó’ que há 21 anos faleceu nesta praça).

Após as cortesias o Grupo de Forcados amadores do Cartaxo assinalou os 15 anos do Grupo de Forcados de Arruda dos Vinhos, com a entrega de uma lembrança.

A noite foi fria, os touros de Luís Rocha foram muito complicados na sua maioria, ‘salvando-se’ o segundo da ordem, lidado por Francisco Palha, e apesar da corrida ter tido alguns pontos de interesse, a verdade é que não ficará na memória pela extraordinária qualidade. Curro com apresentação q.b. para a praça em questão, de comportamento mau no geral.

A primeira lide esteve a cargo de Marcos Bastinhas, perante um touro que se defendeu muito após a cravagem do segundo ferro comprido. O cavaleiro porfiou muito e cravou dois ferros curtos de valor, ao pisar terrenos de compromisso, com destaque para o primeiro, terminando a sua lide com um ferro em sorte de violino e um ferro de palmo. Não lhe foi autorizada volta a arena.

Pega concretizada ao primeiro intento pelos forcados de Azambuja, com uma boa execução do forcado João Gonçalves.

Grande actuação de Francisco Palha, frente a um bom touro, que lutou durante toda a lide, investindo e criando emoção. O ginete esteve supimpa na sua actuação, numa mescla de classe, arte e rebeldia. O segundo ferro comprido é de nota altíssima, com reunião perfeita, os dois primeiros curtos continuaram em patamar muito alto. Pelo meio foi lidando com classe, concentração e executando tudo com muita graciosidade. Terminou com um ferro em sorte de violino e um palmito em sorte cambiada. Enorme, Francisco Palha! Está num momento em que dá gosto vê-lo tourear.

Nuno Aniceto, pelos amadores de Arruda dos Vinhos, concretizou a pega ao segundo intento.

Volta para cavaleiro, forcado e ganadeiro, após demorada recolha do touro aos currais (foi de empurrão e com a ajuda dos forcados, porque nem à corda resultou).

Terceiro touro da corrida muito complicado e que obrigou Andrés Romero a suar. Uma actuação em que o rejoneador espanhol esforçou-se muito para levar a água ao seu moinho. Lide empenhada, sem romper em triunfo, destacando um bom ferro curto.

Vasco Campino, pelos amadores do Cartaxo, concretizou a pega ao primeiro intento.

A noite não foi de sorte no lote de touros que calhou a Marcos Bastinhas. Frente ao segundo touro do seu lote, o cavaleiro tentou fazer as coisas bem, com paciência e sem entrar em truques fáceis. O oponente dificultou-lhe bastante a vida, mostrou-se com querença para tábuas e teve arreões de mansidão. Lide positiva e esforçada, sem romper em triunfo. Marcos Bastinhas está num momento de maturidade assinalável, mesmo em noites sem grandes opções de triunfo.

Ruben Mendes, pelos amadores de Azambuja, concretizou a pega ao primeiro intento, numa execução fabulosa e com grande raça.

Mais um touro muito complicado, numa noite cada vez mais ventosa, desta feita lidado por Francisco Palha. O segundo ferro comprido voltou a ser extraordinário. Depois, o touro começou a defender-se cada vez mais e a fugir para tábuas. A Palha não faltou empenho nem raça, mas a verdade é que o touro lhe boicotou qualquer possibilidade de triunfo nesta lide. Alguns toques na montada, porque pisou terrenos de compromisso e arriscou. Quando assim é, não há motivos para crítica. Gosto-lhe da rebeldia e do risco que imprime nas suas actuações, na tentativa de algo grandioso. Não foi autorizada volta ao cavaleiro.

Edgar Simões, pelos amadores de Arruda dos Vinhos, concretizou a pega ao primeiro intento.

O último touro foi lidado por Andrés Romero. Um touro com algumas características que exigiam muito conhecimento e pouco erro. O rejoneador voltou a estar esforçado, destacando-se o labor, porém não triunfando. Não foi autorizada volta ao cavaleiro.

José Oliveira, pelos amadores do Cartaxo, concretizou a pega ao terceiro intento.

Ruben Mendes vence prémio para melhor pega, ao quarto touro, pelos amadores de Azambuja. Faltou saber quem foi o júri deste concurso de pegas.

A praça contou com lotação a rondar os 3/4.

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

31,779FãsCurtir
12,747SeguidoresSeguir
438SeguidoresSeguir
277InscritosInscrever