Chamusca: Palha e António Ferrera triunfam na tarde de Ascensão

Chamusca: Palha e António Ferrera triunfam na tarde de Ascensão, esta quinta-feira, 26 de Maio.

Na Chamusca, a temporada tauromáquica abriu na tarde de quinta-feira de Ascensão, com uma corrida de toiros mista incluída, na tradicional semana de festas da terra. O cartel foi composto por Manuel Telles Bastos e Francisco Palha, a cavalo, e António Ferrera e Manuel Dias Gomes, a pé. Para rematar, os toiros de Varela Crujo e os forcados amadores da Chamusca e do Aposento da Chamusca. Estavam em disputa os troféus para melhor lide e melhor pega de Dr. João Duque e Eng. Jorge Duque, respetivamente, da Fundação Rafael Neves Duque. Compôs o júri: João Andrade, Vasco Lucas e Manuel Valério Romão.

A tarde fez-se sentir calorosa com uma aragem fresca à mistura, dando um belíssimo ambiente à corrida.

De Varela Crujo (propriedade de herdeiros de José Francisco Varela Crujo) com solar em Serpa mais propriamente em Corte de Messangil e Passarinhos vieram rezes de peso variáveis entre 460 e 520 Kgs, de bom comportamento, tirando o quinto toiro e pelagens negras e castanhas.

Abriu a tarde, na castiça praça, Manuel Telles Bastos frente ao número 37, com arte clássica, mostrando os ensinamentos de seu avô. Iniciou com três ferros compridos de boa nota e manteve o nível nos curtos. Arte toureira do cavaleiro deixada dentro de praça.
Bernardo Borges, pelos Amadores da Chamusca, consumou à segunda tentativa, fechando-se bem na córnea.

A primeira parte das lides a cavalos mostrou grandes momentos de verdade. Desta vez com Francisco Palha a mostrar a sua arte com ferros de verdade, toureando de frente com remates à meia volta. Pese um ferro ou outro a cilhas passadas a lide foi a mais e o ginete conseguiu acabar em muito bom plano, deixando a fasquia alta. Vasco Coelho dos Reis, pelo Aposento da Chamusca, consumou à segunda tentativa.

Na parte apeada, António Ferrera veio de Espanha para deixar o seu nome no areal da Chamusca. Bonita e completa faena do matador espanhol, que andou sempre ligado com o oponente pisando vários pontos da arena. Tirou partido do belíssimo toiro que lhe tocou em sorte.

Com Manuel Dias Gomes faltou transmissão do oponente e a dita bravura. O matador português esforçou-se e deu a lide adequada ao número 56 de Varela Crujo. Recebeu o oponente por bonitas verónicas, remontando o “tercio” com meia verónica e “revolera”. Na muleta pouca história ficou mas notou-se bem o esforço do matador.

Houve intervalo para alisamento e rega do piso da arena.

Na segunda parte do espetáculo, António Ferrera teve que sacar de todos os ensinamentos para lidar o oponente. Toiro manso que em momentos até fugiu ao matador. Recebeu o toiro com verónicas, rematando com meia verónica no meio da arena. Na muleta, a lide foi a mais resultando numa alegre atuação. O matador ainda ouviu assobios e coisas típicas de quem não percebe a lide a pé.

Manuel Dias Gomes armou uma faena de valor, criando uma “dança” com o oponente. Recebeu o toiro cornifechado com lances de verónica junto as tábuas, andando em frente para terrenos médios para rematar no centro da arena com bonitas meias verónicas e afarolada. Na faena de muleta “dançou” pelo areal levando o toiro embebido na flanela.

De volta às lides a cavalo com Manuel Telles Bastos a começar um pouco desconcentrado e irregular na cravagem. Nos curtos, a lide foi em crescendo, respeitando os terrenos que o toiro pedia e desenhando sortes de frente mostrando a verdade do seu toureio. O toiro tinha arrancada pronta é isso provocou alguns toques na montada ao cavaleiro. Francisco Rocha, pelos Amadores da Chamusca, consumou ao primeiro tento mandando totalmente no toiro.

Coube a Francisco Palha fechar a tarde, também com uma lide em crescendo. Nos compridos andou irregular deixando a cravagem com reuniões largas. Nos curtos foi onde cresceu e ganhou a lide ao oponente. O primeiro ferro resultou passado mas com os restantes devidamente corrigidos as sortes resultaram bem. Francisco pela brega ladeada de excelência e ferros cravados ao estribo arrecadou o prémio de melhor lide. Francisco Andrade, pelo Aposento da Chamusca, consumou ao primeiro tento arrecadando também o prémio de melhor pega.

Os prémios, como já referido foram atribuídos a Francisco Palha, pela lide do último toiro e a Francisco Andrade pela última pega da tarde.

A recolha dos toiros esteve a cargo dos irmãos António Manuel e Gabriel Silva com um jogo de cabrestos de Herdeiros de José da Úrsula.

Dirigiu a corrida o Delegado Marco Cardoso, assessorado pelo Médico Veterinário José Luís Cruz, acompanhados por José Henriques no cornetim.

Artigos Relacionados

Siga-nos nas redes sociais

28,492FãsCurtir
12,914SeguidoresSeguir
294SeguidoresSeguir
176InscritosInscrever