10 dos maiores escritores de todos os tempos

 

Algumas das pessoas mais influentes da história não foram apenas reis, políticos ou líderes, os escritores também têm o seu lugar nos anéis históricos. Moldaram a história humana, narraram alguns dos mais importantes eventos históricos e refletiram inúmeras vezes a cultura de um mundo em mudança ao longo dos séculos.

Sejam eles romancistas, dramaturgos ou poetas, todos tiveram a sua quota de responsabilidade para um mundo mais literário. Neste artigo estão listados dez dos maiores escritores de todos os tempos – figuras históricas que fizeram a diferença na sociedade e, tal como referido, foram capazes de influenciar comportamentos e hábitos.

1.     William Shakespeare (1564-1616)

Shakespeare é considerado o melhor escritor de língua inglesa e o melhor dramaturgo de toda a história da literatura. Seus personagens e histórias conquistaram leitores ao longo dos anos e contribuíram para moldar não apenas a cultura literária do Reino Unido, mas também a do mundo.

Títulos essenciais como Hamlet, Romeu e Julieta, Macbeth e Rei Lear são obras consideradas de génio absoluto. Outra grande prova da popularidade de Shakespeare, é o facto de suas obras continuarem a ser bem atuais e um verdadeiro sucesso junto do público.

2.     Franz Kafka (1883-1924)

Quantos foram os escritores que causaram tanto impacto quanto Kafka? Tanto que seu nome se tornou um adjetivo para descrever obras que fazem lembrar o seu estilo de escrita – um escritor que destacava a complexidade invencível de um sistema sem rosto, a famosa onda “kafkiana”.

Autor de clássicos como O Processo e A Metamorfose, as histórias de Kafka têm o dom de abordar as áreas mais sombrias e menos exploradas da condição humana e, embora tenha falecido com apenas 40 anos, tornou-se num dos escritores mais fabulosos do século XX.

3.     Miguel de Cervantes (1547-1616)

Miguel de Cervantes foi um soldado, romancista, poeta e dramaturgo espanhol. É considerado, unanimemente, como a maior figura da literatura espanhola. Não é por acaso que, quando se fala em castelhano, se fala na língua de Cervantes para caracterizar o idioma.

Cervantes é universalmente conhecido por escrever o primeiro romance moderno, Don Quixote de la Mancha, que muitos críticos descrevem como uma das melhores obras da literatura mundial. É uma obra que desmistifica a tradição cavalheiresca pelo seu tratamento burlesco. Como tal, exerceu uma enorme influência por toda a narrativa europeia e sobre os seus escritores.

Além de Don Quixote, Cervantes escreveu também Rinconete y Cortadillo, um romance que tem a particularidade de falar sobre o Ventiuna ­–  um dos primeiros nomes do blackjack ­– jogo com diferentes nomes e regras, popular há mais de 600 anos.

4.     Fiódor Dostoiévski (1821-1881)

Uma das mentes mais brilhantes da antiga União Soviética. Dostoiévski marcou uma geração de escritores de leste. Escreveu romances, contos e até peças de teatro. Contudo, as suas narrativas principais eram a psicologia humana e a conturbada sociedade social e política do mundo russo. Um dos opositores do regime, teve uma morte prematura.

As obras mais notáveis de Dostoiévski incluem Crime e Castigo, Os Irmãos Karamazov, O Idiota, Os Humilhados e Ofendidos e Noites Brancas.

5.     Ernest Hemingway (1899-1961)

Outro escritor que dispensa apresentações. Ernest Hemingway foi um escritor e jornalista americano. Teve uma forte influência na ficção do século XX. Ganhou o Prémio Nobel de Literatura em 1954 e publicou cerca de sete romances, seis contos e duas obras de não ficção. Conhecido também pela sua vida amorosa, casou-se por quatro vezes.

Hemingway deixou obras como O Velho e o Mar, Festa e Por Quem os Sinos Dobram. Face às vicissitudes da sua vida, cometeu suicídio em 2 de julho de 1961. Uma perda para o mundo, mas com um currículo que deixou Hemingway imortal na história literária.

6.     Virginia Woolf (1882-1941)

Virginia Woolf tem a particularidade de nunca ter ido à escola. Facto que prova ainda mais a sua genialidade e importância no mundo da literatura. Desenvolveu a sua carreira literária durante o período entre guerras e anos subsequentes. Paralelamente à atividade de escritora, Woolf fundou ainda uma editora, destinada a publicar textos experimentais, para dar a conhecer novos talentos.

Referir ainda que, as suas obras foram o combustível para ser considerada por muitos uma das principais bandeiras do movimento feminista na época. Entre elas estão Mrs. Dalloway, Rumo ao Farol e As Ondas.

7.     Edgar Allan Poe (1809-1849)

Considerado o inventor do género romance gótico, Edgar Allan Poe foi uma das mentes que impulsionou o aparecimento da ficção científica. Foi um escritor que optou por tentar ganhar a vida apenas a escrever, o que acabou por ser um erro, visto que não tinha nenhum rendimento.

Durante a sua vida, ficou também conhecido como um crítico literário e as suas críticas renderam-lhe o epíteto de “Homem Tomahawk” (em referência ao tomahawk nativo americano). Faleceu em 1849, com apenas 40 anos.

8.     Agatha Christie (1890-1976)

A autora britânica Agatha Christie escreveu 66 romances, principalmente sobre as investigações de Hercule Poirot e Miss Marple, mas também escreveu a peça mais longa do mundo, The Mousetrap.

Christie é uma das autoras mais famosas de todos os tempos. Reconhecida pela capacidade de transmitir suspense em cada palavra, foi uma das pioneiras do movimento literário policial. Encantou o mundo com Assassinato no Expresso do Oriente e Um Cadáver na Biblioteca.

9.     William Faulkner (1897-1962)

William Faulkner é um dos autores mais influentes da história. Seu trabalho, publicado no início do século XX, levou alguns anos para ser aceite. Mas quando chegou à maioria do público, foi um sucesso.

Entre 1929 e 1936, lançou quatro romances: O Som e a Fúria, Luz de Agosto, Absalão, Absalão! E Na Minha Morte. Títulos que iriam definir o seu estilo, imerso na exploração da moralidade dentro do gótico sulista. As suas obras renderam-lhe o Prémio Nobel de Literatura em 1949.

10.  Charles Darwin (1809-1882)

É impossível imaginar o impacto ou a importância do trabalho de Charles Darwin como cientista no século XIX. Claramente virado para Ciência e Biologia, Darwin escreveu vários livros nesses campos, mas o mais conhecido é provavelmente A Origem das Espécies, de 1859. Livro que lançou as bases para a biologia evolutiva e que mudou o mundo para sempre.

Só por isso, merece esta menção. O impacto no estudo científico e na doutrina religiosa foi absolutamente massivo.

E assim se fez história!

Não importa que tipo de escrita o leitor prefere, a verdade é que estes diferentes estilos de literatura foram um marco histórico. Abriram portas para novos talentos e inspiraram outros tantos. Foram escritores e figuras ímpares que decidiram criar arte em cada obra que lançada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.