Joaquim Monchique apresentou GOD com muito humor e uma pitada de sátira no Casino Lisboa.

arrowarrow


GOD estreou no Casino de Lisboa perante uma plateia quase cheia e muitos famosos.

Joaquim Monchique apresentou ontem GOD e o local escolhido foi o Casino de Lisboa. Foi Deus (Joaquim Monchique) que assim quis. Pediu a alguns amigos para estarem presentes e assim foi. Foi feita a sua vontade.

 

 

Muitos foram os famosos que estiveram presentes. Maria João Bastos, Sílvia Alberto, Victor de Sousa, Diogo Infante, Fátima Lopes, FF e Maria Rueff são alguns dos nomes que marcaram presença.

 

 

Vieram assistir à estreia da peça com a promessa de uma noite com muito humor. Fátima Lopes diz que “tem fama de sair pouco mas de vez em quando gosto, principalmente espectáculos de teatro, neste caso especifico gosto muito do trabalho do Joaquim Monchique” e destaca o papel de professor da máquina da verdade no programa da RTP.

 

 

FF destaca o tema da comédia por ser tão “particular” e por ser a primeira vez que ele é abordado. Maria Rueff diz que Joaquim Monchique é como um “irmão” e que tinha de estar presente nesta estreia, mesmo com “alguns nervos e a torcer” pelo colega.

 

 

Joaquim Monchique inspirou-se em “An Act of God” de Jim Parsons que esteve na Broadway e contou com a ajuda do encenador António Pires, para a trazer para Portugal.

 

 

A peça começa com os dois anjos, São Miguel e São Gabriel, à procura de Deus. E lá veio ele, vestido de branco para contar a história da criação e estabelecer novos mandamentos. À medida que os vais enunciando, vai também fazendo sátiras aos costumes do povo português.

 

 

Foi impossível não rir. Foram feitas comparações que fizeram o público soltar gargalhadas. A banda sonora escolhida estava perfeitamente alinhada com as críticas à sociedade portuguesa. Foi cerca de uma hora e meia de muitas críticas e gargalhadas.

 

 

No fim do espectáculo, o actor anunciou que os lucros da venda de bilhetes revertiam para a Casa do Artista. O Casino de Lisboa também contribuiu e para receber esta preciosa ajuda subiram ao palco a actriz Manuela Maria e José Cabeleira.

 

 

É caso para dizer que “Deus” fez a sua obra de solidariedade, numa noite cheia de humor, sátira e em que se assistiu ao que de melhor se faz em Portugal no humor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.