“Olé Olé y Olé”: Aitana de los Reyes enlouquece Casino Estoril

arrowarrow


“Olé Olé y Olé” poderia ser a nossa reacção perante a assombrosa actuação de Aitana de los Reyes ontem no Lounge D do Casino Estoril, num espectáculo inserido no Festival de Flamenco do Estoril.

 

Filha de guitarrista e de “cantaora” é descendente do “Viejo Agujetas” e da familia Amaya, grandes dinastias de flamenco de Jerez de la Frontera. Foi “Miss Flamenca 2013” e, ainda, uma das protagonistas do programa “Mi Primer Olé”, do Canal Sur, com Paco Lobaton.

 

 

Pelas 22:00 desta quinta-feira o Lounge D do Casino Estoril encontrava-se completamente cheio. O público mostrava alguma ansiedade para que Aitana subisse a palco. Mas foram os músicos que a acompanharam neste espectáculo que deram inicio ao concerto.

 

 

Logo ai percebemos que esta ia ser uma grande noite. Que a essência do flamenco e que os ares andaluzes pairavam no Estoril. Mas Aitana fez questão de no segundo tema, o primeiro em que bailou, mostrar toda a sua raça, elegância e maestria. De vestido negro longo e um xaile branco floreado “obrigou” o público a seguir cada um dos seus passos, cada um dos seus movimentos.

 

 

Tudo aquilo era arte em movimento. O público, bem português, no final do tema aplaudiu efusivamente e Aitana voltou a deixar o palco aos seus músicos.

 

 

A bailaora partilhou protagonismo com os seus músicos. Num entra e sai constante de palco, o público ora via o baile sensual de flamenco de Aitana, ora se rendia às vozes e instrumentais dos músicos que a acompanhavam. Um deles mostrou que para além da voz, os pés também ditavam regras e em apenas alguns passos “enlouqueceu” a assistência.

 

 

Se a expectativa era muita, a satisfação perante a qualidade apresentada era ainda maior. Mas Aitana de los Reys quis ir mais além e já sem xaile mas com uma jaqueta ‘toureira’ vestida voltou a mostrar firmeza com o tacão ditando o ritmo, sapateando a preceito, mostrando a sensualidade que o flamenco permite nos movimentos corporais com destaque para mãos e braços e claro os movimentos que efectuou com o vestido.

 

 

Neste espectáculo a guitarra, o canto e o baile, as três pedras basilares do flamenco, estiveram sincronizadas proporcionando um agradável serão.

 

 

O término do espectáculo aconteceu com músicos e bailaora bailando no centro do palco e com alguns lances de capote de toureio (que esteve no palco desde inicio), saindo pela porta grande, ou seja em apoteose.

 

 

O Festival de Flamenco regressará ao Lounge D do Casino Estoril no próximo dia 25 com Rocio Garcia.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6784 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.