Encontros Improváveis: A magia do Circo, o sentimento do Cante e a alma do Fado juntos no Coliseu dos Recreios

O Coliseu dos Recreios em Lisboa recebeu esta terça-feira o espectáculo “Encontros Improváveis” que juntou em palco os alunos do Chapitô, Aldina Duarte, Vitorino e o Grupo Camponeses de Pias num espectáculo que transmitiu sensibilidade, amor e muita portugalidade. Na assistência esteve presente, entre outras personalidades, o Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa.

 

“Ao princípio era o Verbo”… e o Verbo mora no Fado, como habita no Cante Alentejano. Mas estará o Verbo nos gestos ousados e nos “corpos ao limite” dos artistas de circo? A esta questão, o Chapitô pretendia demonstrar que esse diálogo de virtuosidades é possível, e conseguiu.

 

 

Num espectáculo realizado no âmbito do 25º aniversário do Chapitô, assistimos a uma primeira parte que teve estreia publica absoluta da Ópera-Circo “O Circo do Mágico Eli Eli Eli Elias”, num texto do escritor Gonçalo M. Tavares e música de Jorge Salgueiro, encenação do Teatro o Bando a partir de uma conceptualização de João Brites, e os figurinos e adereços entregues à direcção de Rachel Caiano que orienta o grupo de alunos do Curso de Cenografia, Figurinos e Adereços da Escola do Chapitô.

 

 

Numa demonstração de talento, elasticidade, boas coreografias, bons instrumentistas e bons bailarinos, o olhar prendia-se no palco balançando apenas ao ritmo das movimentações dos artistas. O público apenas quebrava um respeitoso e admirador silêncio para fortes ovações no final de cada número.

 

 

A segunda parte trouxe-nos as raízes e a beleza do Cante Alentejano e do Fado. Romperam lentamente pelo meio do público os Camponeses de Pias acompanhados por Vitorino cantando com a alma, raça e querer alentejano. As qualidades que tornam a interpretação deste género musical único, que arrepia e emociona quem ouve desde o inicio ao fim de cada tema, tornando-se uma prazerosa vagem pelas emoções como se das belas planícies alentejanas se tratasse.

 

 

Já em palco cantaram mais alguns temas com os alunos do Chapitô coreografando os temas dando uma beleza ainda maior.

 

 

Após olhar o Alentejo pelas vozes dos cantadores, tempo de erguer os olhos a um camarote onde surgiu Aldina Duarte a cantar acompanhada pelos seus músicos. De vestido negro, projecção vocal a gosto e uma forte dose de sentimento são os ingredientes que se destacam da sua actuação. Aldina é Fado e a simplicidade com que o canta é apenas digna dos maiores.

 

 

Destaque ainda para o dueto entre Vitorino e Aldina Duarte. Arrebatador. Ele no palco, ela no camarote, admirando-se mutuamente, cantando com total entrega: ao tema, à arte e ao público.

 

 

 

A noite terminou com todos os artistas juntos em palco e com Teresa Ricou a efectuar os habituais agradecimentos a todos os que ajudaram a montar este extraordinário espectáculo.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6432 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.