arrowarrow


A Rádio Amália levou ontem o Concerto de Primavera ao Auditório dos Oceanos no Casino Lisboa. Num elenco composto por oito fadistas subiram a palco: Carolina, Miguel Capucho, Carla Pires, Duarte, Cláudia Picado, André Baptista, Joana Amendoeira e Pedro Moutinho.

 

Perante uma assistência que não esgotou o Auditório dos Oceanos, os fadistas deram um colorido especial à primavera. De registos distintos, agradaram sobremaneira ao público que os acarinhou aplaudindo todas as actuações. Duarte conseguiu colocar o público de pé no seu último tema.

 

 

Abriu concerto Carolina que levou ao Casino “Um Fado Nasce” e “Marcha dos Centenários” num repertório que permitiu a cada fadista interpretar três temas, excepto Pedro Moutinho que interpretou quatro. Miguel Capucho, mesmo afectado na voz devido a uma faringite, mostrou a qualidade que faz dele um dos melhores da sua geração. No repertório constaram “Arraial”, “Fado Loucura” ou “Lisboa Antiga”.

 

 

Carla Pires, prestes a lançar novo disco, subiu a palco e entre os temas interpretados, constaram “Meu amor, meu limão de amargura” e “Quero-te aqui” em melodia no Fado Alfacinha.

 

 

Entre os temas subiram a palco as caras ( e vozes) da Rádio Amália para falarem um pouco da programação da rádio. Foi dado destaque a alguns programas que constam na grelha como “Bom dia Lisboa”, “Bairro Alto”, “Senhor Fado” ou “Amigos do Fado”.

 

 

Duarte, que tem granjeado sucesso por terras francesas, foi ontem o fadista mais aclamado da noite. No seu repertório constaram “Fado Escorpião”, “Mistérios de Lisboa”, terminando com “Quadras de A6 e de A2” escritas por si e cantadas em melodia de Fado Meia-Noite e uma Guitarra.

 

 

A jovem fadista Cláudia Picado levou uma “surpresa” ao Casino Lisboa”. Interpretou o single do seu próximo disco, intitulado “Quando me chamas mulher”. Antes disso viajou pelo fado tradicional.

 

 

André Baptista, fadista residente na Casa e Linhares, é um caso de talento puro. O seu timbre é particularmente belo e a sua postura Iow profile contrasta com o poder e magia da sua voz. Consigo as palavras dos poetas ganham dimensão. No repertório desta noite constou entre outros “Lá na minha aldeia”.

 

 

“Muito depois” é o mais recente disco de Joana Amendoeira, que contou ontem na plateia com a presença do produtor deste trabalho discográfico, Tiago Torres da Silva. Joana Amendoeira tem uma postura simpática em palco e é por mérito próprio um dos nomes maiores do fado. No repertório constaram “Com penas de ternura”, “Muito depois”, “Passageira da noite”.

 

 

Coube a Pedro Moutinho fechar a noite, interpretando quatro fados. “Se me dão a solidão” e “Fado a Contradição” com o qual fechou a noite, estiveram entre os temas escolhidos por si para este espectáculo.

 

 

A acompanhar os fadistas estiveram, brilhantemente, Guilherme Banza na guitarra portuguesa, Rogério Ferreira na viola de fado e Francisco Gaspar na viola-baixo.

 

 

Pela negativa temos que fazer uma referência ao som. Não esteve em condições, prejudicando a performance dos artistas, que são obviamente alheios a esta questão. Uma situação a rever no futuro.

 

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6431 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.