Alphaville com concertos no Campo Pequeno e Coliseu do Porto

Alphaville

 

Um dos grupos mais populares nos anos 80 regressa este ano a Portugal para concertos em Lisboa e Porto. Os alemães Alphaville, que em 1984 explodiram em todo o mundo com “Big In Japan”, “Forever Young” e “Sounds Like A Melody”, vão brindar Lisboa e Porto com a festa de dança e luz que caracteriza os seus concertos.

 

 

O grupo de Marion Gold tornou-se parte da iconografia dos anos 80 logo com o álbum de estreia “Forever Young” e os três singles que subiram ao Top 20 de vários países. Foram mais de 2 milhões de discos vendidos numa das estreia mais auspiciosas de sempre da “pop” europeia, enquanto nos Estados Unidos chegaram ao 1º lugar da “dance chart” da Billboard.

 

 

O segredo foi a fusão perfeita da faceta “crooner” de Bryan Ferry, a riqueza “pop” das canções dos Roxy Music e as batidas electrónicas dos compatriotas Kraftwerk, as principais influências dos fundadores Marion Gold e Bernard Lloyd, assíduos frequentadores e participantes do colectivo multimedia berlinense Nelson Community. Os resultados foram canções épicas, fáceis de cantar e dançar, que invadiram as rádios e as pistas de dança de todo o mundo e puseram os Alphaville no circuito das grandes digressões mundiais de música electrónica ao lado de outros bastiões dos anos 80 como Dépèche Mode, Human League ou Ultravox.

 

 

Ao longo de 30 anos os Alphaville mergulharam a fundo na música electrónica e nos sintetizadores, produzindo discos cada vez mais ambiciosos que tanto os levaram a trabalhar com Klaus Schulze (Tangerine Dream) como com “remixers” de “house” e “techno”. Pelo caminho foram homenageados por artistas como Jay-Z, cuja versão “Young Forever” foi o 4º single de “The Blueprint 3”, o álbum de 2010 que venderia mais de 3 milhões de copias. São vários os concertos, inclusivé o de 2010 em Coachella, em que a sua versão dos Alphaville é cantada em dueto com Beyoncé.

 

 

O experimentalismo levou-os a espaçar cada vez mais as edições: 3 álbuns nos anos 80, 2 nos 90, 1 nos anos 2000 e 2 na presente década, incluindo o que sai em Abril de 2017 com selo da Universal, “Strange Attractor”. Mas uma discografia paralela cresceu com o “boom” da “Eletronic Dance Music”: cíclicas compilações, discos de remisturas, DVDs e álbuns ao vivo gravados um pouco por todo o mundo, de Salt Lake City a Joanesburgo. Desde 2004 que os Alphaville estão na estrada com uma nova formação que acabou por evoluir para o modelo cássico: baixo, bateria, guitarra, teclas e voz. A voz, essa é a inconfundível de Marion Gold: «Sempre jovem» e «a soar a melodia».

 

 

Os concertos acontecem a 16 de Novembro no Campo Pequeno e a 18 de Novembro no Coliseu do Porto.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6334 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.