AMAS – Auditório Municipal António Silva recebe Festival Muscarium#6, em Setembro

A 6ª edição do Festival MUSCARIUM terá lugar entre 17 e 27 de setembro de 2020, mantendo a sua periodicidade anual, realizando-se nas duas últimas semanas do mês que assinala também a reabertura do AMAS – Auditório Municipal António Silva, sala de espetáculos sintrense que o teatromosca gere e programa desde 2018. Este ano, tendo em conta as contingências sociais e sanitárias, consideramos ainda mais urgente enaltecermos as principais caraterísticas do festival que se pretende orgânico e vivo, promovendo um acesso cada vez mais democratizado à cultura, através da programação de um conjunto de espetáculos multidisciplinares que serão apresentados em inúmeros espaços do concelho de Sintra.

 

A abertura oficial do evento terá lugar no AMAS, no dia 17 de setembro às 21h, e estará a cargo do Quorum Ballet, uma das mais importantes companhias de dança nacionais, com a sua mais recente criação, o espetáculo “Impulso”. Evidentemente, destacamos ainda o concerto que Surma nos oferecerá no deslumbrante jardim do Palácio de Queluz, no dia 20 de setembro, às 19h. O festival ficará ainda marcado por uma programação maioritariamente nacional, com a apresentação de espetáculos da Trincheira Teatro, no dia 19 de setembro às 16h, na Casa da Cultura Lívio de Morais, um espetáculo para os mais novos, que nos fala da viagem de um menino que parte à procura de “O Último Marco do Correio”. No mesmo dia, às 21h recebemos a Companhia Mascarenhas Martins, no AMAS, com o espetáculo “Há Dois Anos Que Eu Não Como Pargo”, que nos dá a conhecer três amigos, todos residentes na margem sul e a trabalhar em Lisboa, que todos os dias se juntam para falarem sobre as suas vidas. No dia 24 de setembro, a Casa de Teatro de Sintra irá acolher os portuenses Visões Úteis, com o espetáculo “Little B”, inspirado pela biografia profissional de Mário Moutinho – Artista Associado do Visões Úteis em 2018 e 2019, um espetáculo que recusa uma perspetiva arquivista ou documentarista: onde não interessa tanto a vida de Mário, mas a pluralidade de vidas que uma vida pode conter. O Teatro do Silêncio junta-se a nós, no AMAS, no dia 26 de setembro, com um espetáculo documental que nos apresenta a perspetiva das mulheres dos pescadores de bacalhau e procurando dar voz a estas mulheres, contribuindo para a valorização do seu papel na economia do mar. Integram ainda a programação do festival duas propostas de coletivos sintrenses, a MUSGO Produção Cultural, no dia 23 de setembro no AMAS, com “Ortov Sai do Escuro”, filme realizado por Ricardo Reis que documenta o espetáculo homónimo produzido a partir de texto de Jaime Rocha, que nos apresenta uma personagem especialmente peculiar, Ortov, que atravessa todo o espetáculo, questionando-se sobre o futuro da humanidade e procurando uma nova linguagem que possa vencer o medo, a hipocrisia e a corrupção; e o Teatro Efémero, no Teatroesfera, em Queluz, às 21h, no dia 18 de setembro, com “Lie Lie Land”, inspirado pela obra “O Doido e a Morte”, de Raúl Brandão, como uma reescrita do universo enigmático deste texto, conjugando-o com a atualidade, numa relação direta com a arte urbana política.

 

O  teatromosca aproveitará ainda este momento para estrear duas criações: para o público infanto-juvenil apresentará uma nova versão de “O Macaco do Rabo Cortado”, que encerrará o MUSCARIUM#6, no dia 27 de setembro, na Casa da Juventude da Tapada das Mercês, versão esta que começou a ser desenvolvida durante o período de Estado de Emergência e que teve uma primeira apresentação online no ciclo QuarentenAntena; e, para o público geral, estreará “Estúdio: Flores”, no dia 25 de setembro, concebido pelo ator e encenador espanhol Adolfo Simón e pelos criadores do teatromosca, Pedro Silva e Carolina Figueiredo, em coprodução com o Centro Dramático Rural (Madrid), em jeito de homenagem no 40º aniversário do Centro Cultural Shopping Cacém e do antigo cinema Estúdio Flores, onde, atualmente, se situa o AMAS. Estas duas novas criações do teatromosca poderão ser fruídas tanto online, como presencialmente, dando seguimento a um trabalho que o coletivo vinha já a desenvolver e que se acentuou com a pandemia.

 

Sim, é inevitável que possamos detetar nesta nova edição do MUSCARIUM sintomas do COVID-19, com plateias mais reduzidas, com as devidas distâncias entre artistas e espetadores, cumprindo todas as regras de higiene e segurança que agora se impõem, mas também podemos relevar o gesto de insistir em organizar um festival de artes performativas durante duas semanas, com propostas artísticas tão distintas apresentadas em espaços dispersos por boa parte do território sintrense, como um ato de resistência e de amor. Temos consciência que este vírus afetou (infetou) também o modo como vivemos o Teatro, a Dança, a Música, o Cinema, mas não vamos parar de criar e não vamos deixar de querer marcar encontro regular com os nossos públicos, e, cada vez mais, este evento assinala apenas o início de uma longa temporada do teatromosca e do espaço que, tão afetuosamente, chamamos AMAS.

 

O preço dos bilhetes para as diferentes performances no MUSCARIUM#6 varia entre os 5€ e os 12€, sendo que existe um passe para todos os espetáculos do festival disponível por 50€. Os bilhetes vão estar disponíveis na Ticketline, Seetickets e na bilheteira do AMAS- Auditório Municipal António Silva, no Shopping Cacém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.