Artes à Rua: Alma Nuestra trouxe improvisação e amor à Praça de Giraldo, em Évora

 

 

A Praça de Giraldo, em Évora, recebeu este domingo os Alma Nuestra, espectáculo inserido na vasta programação do Artes à Rua.

 

Os Alma Nuestra são constituídos Victor Zamora (piano), Nelson Cascais (contrabaixo), André Sousa Machado (bateria) e Salvador Sobral (voz). A ideia do projecto desenvolve-se a partir da musicalidade americana, neste caso do jazz e dos boleros. De um lado a improvisação e do outro o calor e a intensidade. Uma junção que o grupo consegue fazer com qualidade eximia.

 

Salvador Sobral conseguiu elevar a temperatura, pese embora o dia já estar quente, na Praça de Giraldo.

 

O vencedor português do Eurovisão, único até ao momento, mostrou que é muito mais do que “Amar pelos Dois”. Neste projecto são recuperados standards do jazz e boleros americanos aos quais Victor Zamora e Salvador Sobral dão o toque pessoal, numa aglutinação bem conseguida entre técnica e estilo.

 

Após interpretar o primeiro tema, Salvador Sobral fez logo dois anúncios ao público: “É a primeira vez que vimos ao Alentejo. Por isso sintam-se privilegiados, ou não” e “a menina que nos apresentou falou muito bem e tudo o que disse é verdade. Vamos apresentar música dos anos 20 e 30, portanto se alguém quiser ouvir “Amar pelos Dois” pode ir para casa ouvir no YouTube, pois aqui não terá sorte”, antes de esclarecer que “digo isto com a maior das amabilidades”.

 

 

Houve um grande cuidado de Salvador Sobral em explicar, serenamente e com elevação, a génese deste projecto que tem na sua base o jazz e os boleros. Os boleros que são uma criação de raiz cubana que mescla os sons locais com influências espanholas. É um género musical que tem também bastante importância e impacto no México. Já o jazz tem a sua origem na América e é re(conhecido) pela enorme improvisação que integra as suas composições. É provavelmente dos géneros musicais mais livres e ao mesmo tempo mais difíceis de executar.

 

Ao longo de todo o espectáculo, no qual actuou descalço, Salvador Sobral foi dividindo o protagonismo musical com o trio que completa o projecto denotando-se, além da excelência técnica, uma grande cumplicidade entre todos. Cada um sabendo a sua função e tendo os seus momentos a solo.

 

A Praça de Giraldo registou uma boa afluência de público, notando uma enorme abrangência em termos de idades, desde os mais novos aos mais velhos.

 

Em breve apresentaremos a entrevista com os Alma Nuestra e ainda a galeria fotográfica do espectáculo.

 

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 26/08/2018


About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

_