Barrancos: Terras sem Sombra é “oportunidade de as populações locais poderem usufruir de outro tipo de música”

Foto: Terras sem Sombra

Decorreu este fim-de-semana, durante os dias 1 e 2 de Fevereiro, o 2º fim-de-semana de actividades da 16ª edição do Festival Terras sem Sombra.

Barrancos recebeu o festival que agrega a valorização do património, a música clássica/erudita e a biodiversidade.

O Infocul esteve presente e entrevistou o presidente da Câmara Municipal de Barrancos, João António Serranito Nunes, sobre a importância desta vila arraiana receber o festival.

O autarca começou por revelar que “a importância é, não só, sobre essas três vertentes em que o Terras sem Sombra se baseia. E aí há valores que aqui são bem visíveis sobre todos os pontos de vista, mas tem também uma outra preocupação. Como tem uma vertente de música clássica, chamada de erudita, que normalmente estes territórios não podem usufruir. Portanto há aqui uma oportunidade de as populações locais poderem usufruir de outro tipo de música, porque não é habitual que ela venha aqui. Essa é uma das vertentes que queríamos proporcionar à população”.

Acrescentou ainda que “por outro lado, o património é um dos factores de desenvolvimento, enquanto actividade turística, cultural e pedagógica. São vertentes que queremos que sejam abordadas e desenvolvidas”.

Realçou ainda que na vertente da “biodiversidade, estando nós num sítio da Rede Natura, faz todo o sentido que possamos identificar valores e iniciativas para a sua valorização e divulgação. Depois este festival traz um tipo de público que se não houvesse este evento, ele não nos visitaria”.

Reconheceu ainda a importância dos “membros da comunicação social, aqui presentes, que dão visibilidade a este território de baixa densidade. Ou seja, podemos ser poucas pessoas mas temos um conjunto de valores e queremos através deste tipo de iniciativas dar visibilidade ao território e daí conferir-lhe a importância que normalmente não lhe é atribuída”.

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6694 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

4 thoughts on “Barrancos: Terras sem Sombra é “oportunidade de as populações locais poderem usufruir de outro tipo de música”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.