Centro Internacional das Artes José de Guimarães inaugura exposições dedicadas à obra de Fernando Lanhas e à coleção de Ivo Martins

ciajg

 

O 2º ciclo expositivo de 2017 do CIAJG (Centro Internacional das Artes José de Guimarães ) abre ao público a 29 de Junho, pelas 22:00, com exposições dedicadas à obra de Fernando Lanhas e à colecção de Ivo Martins, onde pontificam alguns dos artistas mais relevantes da produção artística nacional das últimas três décadas, em depósito no Museu de Serralves.

 

 

A coleção permanente do CIAJG contará, também, com uma nova montagem que revisita um conjunto de peças históricas de José de Guimarães que não estão visíveis ao público desde 2012. Em diálogo com estas peças e os núcleos que constituem a colecção permanente, o CIAJG, em parceria com a Fundação de Serralves, acolherá, ainda, uma ampla mostra de peças de Fernando Lanhas, um dos autores centrais da arte portuguesa da segunda metade do séc. XX.

 

 

“Fernando Lanhas – Fragmentos: algumas obras na colecção de Serralves” é uma mostra da obra do arquitecto portuense (1923-2012) que, como todos os arquitetos, sempre quis compreender a geometria do mundo. A sua formação académica contribuiu tanto para esse objectivo como o ser pintor, desenhador, arqueólogo, paleontólogo, astrónomo, etnólogo e poeta. A sua obra pictórica, que deve ajudar a compreender como pode a pintura concorrer para o conhecimento do mundo, não pode, como se verá, ser separada das muitas outras actividades que o ocuparam durante mais de 50 anos. Enquanto pintor, Fernando Lanhas ocupa um lugar destacado na história da arte portuguesa, sendo apontado como pioneiro do abstracionismo geométrico. “Fernando Lanhas – Fragmentos: algumas obras na colecção de Serralves” conta com a curadoria de Marta Moreira de Almeida e é organizada em parceria com a Fundação de Serralves. Esta exposição poderá ser visitada nas salas 4, 5 e 6 do piso 1 do Centro Internacional das Artes José de Guimarães.

 

 

A partir do dia 29 de Junho, o público terá a oportunidade de revisitar um conjunto de peças históricas de José de Guimarães, que não estão visíveis ao público desde 2012, como a intervenção no Museu de Luanda, em 1968. Em diálogo com estas peças e os núcleos que constituem a colecção permanente do CIAJG, estarão as obras de Fernando Lanhas, bem como um conjunto de esculturas de Rui Chafes, um dos mais importantes artistas da atualidade.

 

 

Na mesma noite, a ocupar todas as salas dos pisos 0 e -1, o Centro Internacional das Artes José de Guimarães inaugura, também, “A Arte como Experiência do Real”, uma exposição composta por peças da colecção de Ivo Martins, em depósito no Museu de Serralves, em que pontificam alguns dos artistas mais relevantes da produção artística nacional das últimas três décadas:Joaquim Bravo, Álvaro Lapa ou Xana. A colecção de Ivo Martins constitui-se como uma das mais singulares e consistentes visões do panorama artístico de uma geração de autores e a sua apresentação em Guimarães é um desígnio há muito tempo traçado.

 

 

O Centro Internacional das Artes José de Guimarães pode ser visitado de terça a domingo, das 10:00 às 13:00 e das 14:00 às 19:00. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.