Coro e solistas da Gulbenkian encerram Terras sem Sombra

terras123

 

A edição de 2017 do Terras sem Sombra termina na cidade de Beja, nos dias 16 e 17 de Junho, após uma programação intensa de música e passeios pelo património e biodiversidade por sete vilas do baixo Alentejo.

 

 

Durante esta temporada, com a duração de sete meses, o festival apresentou solistas e agrupamentos de referência internacional num programa, estratégico para a afirmação do Alentejo como destino de arte e natureza, em que Espanha foi o país convidado.

 

 

A iniciativa abriu as portas, pela primeira vez, de palácios, igrejas, conventos, mosteiros e outros locais raramente acessíveis ao público e pôs em evidência aspectos fundamentais do património natural da região.

 

 

No maior edifício de Beja: o Colégio dos Jesuítas, hoje Comando Territorial da GNR

 

 

A visita da tarde de sábado inicia-se, às 14h30, tendo como ponto de encontro a catedral. O alvo da visita, sob a orientação do historiador da arte José António Falcão, é uma obra-prima da arquitectura jesuítica, o antigo colégio de S. Francisco Xavier ou “Seminário Velho”. Este edifício, que continua a ser o mais vasto de Beja, está intimamente ligado à história da cidade, a começar pelas circunstâncias que rodearam a sua fundação.

 

 

O Coro Gulbenkian e solistas da Orquestra da mesma instituição (Fernando Miguel Jalôto, Sofia Diniz, Marta Vicente), sob a direcção de Michel Corboz, apresentam na catedral, às 21h30 do dia 17, um programa consagrado aos motetos e prelúdios corais de J. S. Bach que contará com a presença do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes.

 

 

Estas peças, fulcrais para o conhecimento da obra do grande compositor alemão, granjearam-lhe lugar destacado na história da música. Ao mesmo tempo, permitem acompanhar o seu percurso profissional, desde os primeiros anos como organista em Weimar, Arnstadt e Mühlhausen (1703-08) e Konzertmeister da corte de Weimar (1708-17), até ao apogeu, como Kappellmeister dos príncipes de Köthen (1717-23) e Kantor da cidade de Leipzig (1723-50).

 

 

Esta etapa do Festival culmina, no domingo, com uma acção prática, orientada para a compreensão das relações entre o homem e o Guadiana, enquanto elementos que estruturam a paisagem. A partida faz-se das Piscinas Cobertas de Beja, às 9h30.

 

 

O grande rio do Sul impõe-se, à escala regional, em vários aspectos. Tendo uma das maiores bacias hidrográficas da Península Ibérica, os seus humores moldaram, ao longo de milhões de anos, a peneplanície. Por outro lado, o seu vale antigo e erodido preserva uma biodiversidade muito rica, funcionando como corredor privilegiado para inúmeras espécies de aves, mamíferos, peixes e plantas.

 

 

Mas a dinâmica hidrológica do Guadiana está também presente nos elementos culturais que o pontuam, como as peculiares azenhas de submersão e os fortins. Apesar da intensificação da agro-indústria que decorre nas áreas envolventes a jusante de Alqueva, este rio ainda mantém estruturas patrimoniais relevantes, como as que se podem observar na zona de Quintos, fortificada na época da Guerra da Restauração, para defender Beja dos exércitos castelhanos.

 

 

O desafio lançado pelo Terras sem Sombra para esta iniciativa visa um percurso de notável valor paisagístico, o PR1, Azenhas e Fortins do Guadiana, do Município de Beja, que finaliza no rio. Aqui, far-se-á a avaliação do elemento água, recorrendo a equipamentos de análise, e ponderar-se-á, no seio do Parque Natural do Vale do Guadiana, o futuro de um dos grandes recursos do Alentejo.

 

De entrada livre, o Festival é organizado pela Pedra Angular e termina a edição de 2017 em Sines, no dia 1 de Julho, com a cerimónia de entrega do Prémio Internacional Terras sem Sombra.

 

Programa Beja

17 Junho

Património

14:30 – 17:30 – Visita guiada ao Centro Histórico

Local em destaque – Colégio de São Francisco Xavier

Ponto de encontro – Catedral de Beja

 

Música

21H30 – Caminho, Verdade e Vida: Motetes e Prelúdios Corais de J. S. Bach

Local – Catedral de Beja

Coro Gulbenkian

Órgão Fernando_ Miguel Jalôto

Viola da gamba_ Sofia Diniz

Contrabaixo barroco_ Marta Vicente

Direcção musical_ Michel Corboz

 

18 de Junho

Biodiversidade

O Homem e o Guadiana, elementos que estruturam a paisagem

9H30 – Partida – Piscinas Cobertas de Beja

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6805 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.