Cristina Branco foi “Menina” de pouco diálogo e muita emoção no CCB

Rita Branco11

 

 

O Grande Auditório do Centro Cultural de Belém acolheu,  este sábado, Cristina Branco que ali apresentou o seu mais recente disco, “Menina”.

 

 

Cristina Branco foi sempre um caso peculiar no fado. Nunca teve receio em arriscar, em dar novas sonoridades ao fado. Nunca teve receio de inclusive cantar outros géneros musicais, como inclusive faz neste último disco, assumindo-o de uma forma clara. Não é menos fadista por isso. É uma cantora de emoções, a verdade do seu canto é transversal a qualquer género musical.

 

 

No Centro Cultural de Belém, um dos maiores pontos de interesse eram o temas do seu novo disco, o qual interpretou intervaladamente com temas mais antigos da sua discografia. E este é um dos pontos negativos do concerto. Alinhamento pouco adequado a uma sala e grandes dimensões. O repertório foi todo ele muito intimista, algo que no Grande Auditório do CCB, tornou este espectáculo morno, muito morno. Pareceu-nos também sempre muito emocionada ao longo do espectáculo pelos aplausos do público.

 Rita Branco23

 

Rita Branco22

 

“E às vezes dou por mim” foi o tema com o qual deu inicio ao espectáculo, acompanhada por um trio de músicos: por Bernardo Moreira (contrabaixo), Luis Figueiredo (piano) e Bernardo Couto (guitarra portuguesa), com os quais demonstra uma cumplicidade e empatia musical que extravasa o palco.

 

 

Cristina Branco apareceu esta noite muito menos conversadora com o público do que é costume. Talvez por “ser tão perfeito ter-vos aqui connosco”. Mas podia ser ainda mais, caso houvesse interacção. Algo que pouco aconteceu.

 Rita Branco17

Uma excelente interpretação de “Fado da Partilha”, um momento sublime em “Alvorada” (um jogo de luzes que potenciou toda a mensagem desta canção que foi brilhantemente cantada por Cristina Branco), “Não há só tangos em Paris”, foram alguns dos momentos mais interessantes do espectáculo.

 

 

Nas poucas falas que teve para com o público, foi dizendo repetidamente o quão “perfeito” era ali estar, agradeceu a todos os eu integraram este disco em termos de composição e escrita e foi explicando algumas das histórias retratadas pelos temas.

 Rita Branco11

 

Rita Branco1

 

“Fado mal passado” de Júlio Pomar, Fado Suplica e “Boatos” integraram a parte final do concerto o qual teve ainda direito a encore. Cristina Branco estava feliz. O público tributou-lhe forte e longo aplauso. Todos ficaram a conhecer “Menina, um disco no feminino mas escrito por alguns dos mais geniais letristas masculinos da actualidade. Um concerto em que Cristina Branco nos relembra de todas as suas qualidades enquanto intérprete. A sua voz atinge momentos sublimes. O alinhamento não permitiu um brilho maior a este espectáculo.

 

Rita Branco19

 

Rita Branco18

 

Rita Branco14

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6771 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.