Em Palmela, alunos criam Caderno de Memórias sobre Património

No âmbito do “Eu Conquisto o meu Sucesso – Plano Inovador de Combate ao Insucesso Escolar de Palmela”, uma turma do 11.º ano da Escola Secundária de Palmela desenvolveu o projecto “Viajar no Património”, que resultou na edição de um Caderno de Memórias. Ao longo das páginas do Caderno, as/os alunas/os dos Cursos Profissionais de Turismo e de Comércio partilham, através das suas ilustrações, as marcantes experiências vividas durante as visitas de estudo que realizaram a Sevilha, Lisboa e Porto.

O projecto “Viajar no Património” nasceu com o objectivo de promover o sucesso escolar e despertar o interesse pelo Património deste grupo de 14 estudantes, muito heterogéneo em termos de idades e de percursos de vida. Entre outras actividades, o grupo teve a oportunidade de participar em visitas de estudo a Sevilha, uma experiência única, onde puderam observar os edifícios, ruas, bairros típicos e monumentos, e também a Lisboa e Porto, que incluíram visitas aos estádios e museus dos grandes clubes de futebol.

O caderno de memórias recém-editado é um dos resultados deste trabalho enriquecedor e representa também um ciclo que agora se encerra. Estas/es jovens concluem, no ano lectivo 2019/2020, uma etapa importante da vida e seguem viagem para o mercado de trabalho ou para os estudos de nível superior.

O “Eu Conquisto o meu Sucesso – Plano Inovador de Combate ao Insucesso Escolar de Palmela” é um projecto municipal enquadrado no Programa Operacional Lisboa 2020 (POR Lisboa 2020), que tem como objectivo a promoção do sucesso educativo, através da implementação de um conjunto de ações transversais e temáticas. Ao longo do processo educativo e formativo das/os alunas/os, a comunidade educativa é envolvida através de uma abordagem colaborativa, que procura potenciar os conhecimentos, capacidades e atitudes, em termos de competências globais. São as/os alunas/os, o pessoal docente e não docente, a família e a comunidade os pilares que sustentam este Plano.

A estratégia de acção subdividiu-se em várias áreas. Na área de Património Cultural, o Plano centrou-se na história de cada pessoa envolvida. “Quem sou eu?”, “porque me chamo assim?”, “o que é Património?” ou “o que são memórias?” foram algumas das questões que orientaram o trabalho desenvolvido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.