Évora: “Sentimos que estamos a dar um passo muito grande naquilo que é a programação anual e coerência na programação”

 

 

 

O salão nobre do Teatro Garcia de Resende, em Évora, acolheu a apresentação da programação cultural para 2019 no município. Um ano em que a câmara aposta forte na vertente cultural e numa diversidade inclusiva. Uma aposta na cultura de todos e para todos.

Luís Garcia, da equipa de programadores, começou por revelar “satisfação imensa ter a sala cheia”, visão partilhada pelo vereador da cultura, Eduardo Luciano, “surpreendido pelo número de pessoas presentes na sala”, destacando que “esta iniciativa de apresentar” a programação, permite “uma cobertura e divulgação completa”, algo que “acontece pela primeira vez”. Portanto, “sentimos que estamos a dar um passo muito grande naquilo que é a programação anual e coerência na programação”, destacando algumas ideias chave como a pretensão de ser “uma cidade criativa, uma cidade onde se produz e cultiva arte”, reforçando que “a questão da comunicação atribuímos muita importância” e ressalvando que “festas mediáticas que garanta notícias diárias não é o caminho de Évora”. O vereador falou ainda do processo de transformar “cidade museu para cidade cultura” e “cidade estática para cidade em movimento”.

O presidente do município, Carlos Pinto Sá, ressalvou que “o papel da cultura deve ser um vector de estratégia de desenvolvimento de Évora e do Alentejo”, algo que “dissemos em 2013”. Recordando que quando entrou este executivo em funções, “não tínhamos recursos, tínhamos batido no fundo. Encontramos uma câmara, temos de perceber de o de vimos e para onde queremos ir, vinha de uma falência técnica e que mal tinha dinheiro para pagar aos seus funcionários”, destacando os “95 milhões de dívida”.

Em termos culturais destacou que pretende “garantir que iremos caminhar para programação regular” e “queremos que essa programação seja feita por todos e com a participação de todos”.

Partilhou ainda da palavra, José Russo, presidente do Cendrev, que destacou “o Cendrev está a cumprir 44 anos, no ano em que celebramos os 45 anos do 25 de Abril”.

Em termos de programação, os meses de Fevereiro e Março no Teatro Garcia de Resende já tinham sido revelados, e nesta apresentação foram anunciadas as datas dos diversos ciclos culturais (teatro, música, cinema, artes plásticas, entre outros) que percorrerão todo o 2019 em Évora.

A informação sobre a programação foi impressa em número limitado, sendo que até ao final da próxima semana haverá distribuição gratuita do livro informativo. Sobre a programação, daremos detalhadamente conta da mesma, em breve, podendo já anunciar nomes como Miguel Araújo, Mazgani, The Gift, Pedro Calado, entre outros, em termos musicais no Garcia de Resende.

 

Texto: Rui Lavrador
Fotografias: Hugo Calado

 

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6322 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador