Francisco Sales assume que concerto no Misty Fest “vai ter um peso grande na minha carreira”

 

 

 

Francisco Sales actua a 5 de Novembro no Teatro São Luiz, em Lisboa, num espectáculo inserido no Misty Fest. O músico concedeu uma entrevista ao Infocul na qual falou sobre as expectativas para este espectáculo.

 

Francisco começou por revelar que “é a primeira vez que vou tocar em nome próprio numa sala desta envergadura” e que por esse mesmo motivo “vai ter um peso grande na minha carreira”.

 

 

Licenciado em jazz pela Escola Superior de Música de Lisboa, Francisco Sales trabalha de modo virtuoso a sonoridade da guitarra, acústica e eléctrica, criando paisagens sonoras de grande beleza inspirada nas suas múltiplas viagens pelo mundo.

 

Já em 2016 acompanhou nomes grandes da música como Chaka Khan, Omar ou Natalie Williams. E lança “Miles Away”, resultado das viagens dos últimos anos.

 

Em Lisboa, no Teatro São Luiz, desvenda que “vou tocar alguns dos temas que mais gosto destes dois discos”, embora alerte que “como qualquer artista vamos sempre crescendo e nos transformando, ou seja, os discos quando fora feitos eu era aquilo e nesta altura sou uma pessoa com mais experiência e com mais vida”. Por isso “vou trazer as pessoas aquilo que sou actualmente com os temas dos dois discos”, até porque “ao vivo damos sempre uma roupagem diferente”. Em palco estará sozinho, com os seus instrumentos.

 

Residente em Londres desde 2013, Francisco Sales teve aí a sorte de encontrar um padrinho de peso – Jean-Paul Maunick aliás Bluey, líder dos célebres Incognito. Actualmente mora, de novo, em Portugal. Bluey apadrinhou o seu primeiro álbum, “Valediction”, que apresentou no Blue Note de Tóquio antes de o convidar para fazer parte da formação de palco dos Incognito.

 

 

Mas actuar no São Luiz traz mais pressão ou motivação? Para Francisco Sales é “muito mais motivante. Muitas das vezes, nós imaginamos a nossa musica. Há certos estilos de musica que funcionam bem em clubes, há outros tipos de bandas que precisam de outras salas, com outras condições. A minha musica é muito cinematográfica, permite as pessoas viajar. E por isso precisa de algumas condições…”, até porque ao vivo “permite ser partilhada da forma mais correcta” assumindo que “não tenho medo. Olha que fixe!

 

Na opinião de Francisco Sales, o público “espera um bocadinho de me ver mais em acção. Os discos têm as canções, mas no disco não sabes como as coisas funcionam”, assumindo que “não crio expectativas. Eu darei sempre o mesmo concerto independentemente de a sala ter uma pessoa ou 10 mil. Isso não pode influenciar um concerto do musico. No inicio de carreira, é normal as salas não estarem cheias. Isso é o meu caso. Eu sei que mais tarde ou mais cedo as sala estarão cheias”, diz-nos quando questionado se já tinha imaginado o São Luiz esgotado para o ver actuar.

 

Para conhecerem melhor o músico, os curiosos podem fazê-lo através de “Insatagram, Facebook, Website, Youtube, embora ao vivo seja outra experiência”, e por isso mesmo “deixo o apelo de virem, encherem a sala porque acho que vão ter muitas surpresas”. Assume-se como utilizador das redes sociais mas destaca que prefere o contacto ao vivo, tanto que “depois do concerto faço sempre uma coisa, Eu peço para quem me quiser conhecer, para se dirigirem a mim, mesmo aqueles que não tenham possibilidade de comprar cds”.

 

 

 

O músico anunciou ainda que actuará a “7 de Dezembro no Centro Cultural das Caldas da Rainha”.

 

Fotografia: Vera Marmelo

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícia publicada a 17/10/2018


About the author /


Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

_