Graça Fonseca: “Nunca é fácil em Portugal trabalhar em rede” (C/Som)

 

 

O Museu das Comunicações, em Lisboa, recebeu esta sexta-feira o Talkfest- Fórum Internacional de Festivais de Música, evento que contou com a presença da Ministra da Cultura, Graça Fonseca, na sessão de abertura. Após sessão inaugural, a ministra falou em exclusivo ao Infocul.

Na apresentação destacam-se algumas ideias apresentadas pela Ministra da Cultura, como por exemplo a expectativa de que deste evento “resultem boas ideias”, até por “esta iniciativa ser algo que é infelizmente raro. Ligar em rede várias organizações que poderiam potencialmente querer estar cada um por si” e dando foco à “internacionalização da cultura”, pois “temos extraordinários festivais, extraordinários músicos mas somos um território relativamente pequeno”.

 

Graça Fonseca começou por nos dizer que “há duas mensagens aqui muito importantes, por um lado a questão da preocupação da acessibilidade de pessoas com mobilidade reduzida, é de facto um desafio muito grande para as organizações, mas para os festivais é um particular desafio e sabemos que os festivais são em locais de difícil acesso e essa é de facto uma preocupação, de maneira a que os festivais sejam também um espaço de inclusão; por outro lado a preocupação do impacto ambiental, os festivais ao longo dos anos foram mudando bastante as suas práticas ambientais, a questão da utilização do plástico ao longo dos anos mudou muito felizmente, hoje já vemos a grande maioria dos festivais com preocupações em não ter plástico, mas ainda há muitos desafios pela frente do ponto de vista da forma como nós consumimos e é muito importante que os festivais passem a mensagem que cada uma das pessoas que vão ao festival perceba que a questão do impacto ambiental não é um problema dos outros é um problema de cada um de nós”, quando questionada sobre quais seriam as mensagens mais importantes que os festivais poderiam transmitir em 2019.

Na sessão inaugural, Graça Fonseca destacou o facto de este evento conseguir trabalhar em rede com várias entidades. Após a sessão, foi por nós questionada se era fácil trabalhar em rede, tendo-nos explicado que “nunca é fácil em Portugal trabalhar em rede, nós nãos somos um país grande em território, mas somos um país grande em áreas e potencial cultural, de artistas e de autores e de criativos nas diferentes áreas e Portugal tem às vezes esta dificuldade de conseguir perceber que teríamos mais se fizéssemos uma frente unida, mas isso faz parte da cultura. Portanto temos conseguido organizar em rede, a partir de uma estratégia que é definir objectivos comuns e conseguindo definir esses objectivos consegue-se trabalhar melhor em rede, porque cada uma das pessoas ou das organizações se revê nos objectivos comuns e portanto a partir dai trabalhar em rede é mais fluido”.

Questionámos ainda sobre o que está a ser feito para o interior do país tenha maior acesso e oferta cultural, com Graça Fonseca a dizer que “há várias medidas em curso e vários projectos e só para dar o exemplo, no plano de valorização do interior há várias medidas que têm a ver com a itinerância de exposições em determinadas zonas do interior, ou estamos a trabalhar para a abertura de um polo, de um museu nacional precisamente no interior. Há várias medidas em curso, mas há fundamentalmente algo que me parece muito importante, que é que os apoios públicos é a forma de nós identificarmos os projectos que existem seja feita também direccionada para essas regiões mais do interior” dando como exemplo “quando a ministra da cultura vai a um festival numa terra do interior, até pode nem ter apoio, mas o facto de ser colocado num determinado mapa daquilo que é uma rede, de alguma maneira dá uma visibilidade diferente”.

 

Rui Lavrador

Iniciou em 2011 o seu percurso em comunicação social, tendo integrado vários projectos editoriais. Durante o seu percurso integrou projectos como Jornal Hardmúsica, LusoNotícias, Toureio.pt, ODigital.pt, entre outros Órgãos de Comunicação Social nacionais, na redacção de vários artigos. Entrevistou a grande maioria das personalidades mais importantes da vida social e cultural do país, destacando-se, também, na apreciação de vários espectáculos. Durante o seu percurso, deu a conhecer vários artistas, até então desconhecidos, ao grande público. Em 2015 criou e fundou o Infocul.pt, projecto no qual assume a direcção editorial.

Rui Lavrador has 6335 posts and counting. See all posts by Rui Lavrador

Rui Lavrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.