No fim de semana de 24 e 25 de Novembro, a Gulbenkian Música acolhe o segundo ciclo temático da Temporada 18/19. Em colaboração com a Fundación Juan March e com curadoria de Miguel Ángel Marín, “Ibéria: Música entre Portugal e Espanha”, convida ao reconhecimento do imenso património histórico e cultural que une os dois países.

 

 

 

Duas conferências e quatro concertos atestam a proximidade e a cumplicidade da Península através das obras de compositores de origem ou de inspiração ibérica, bem como de peças que documentam e são consequência dos trajectos de músicos que construíram a sua carreira passando para o outro lado da fronteira.

 

 

No sábado, 24 de Novembro, às 16:00, o cravista francês Pierre Hantaï, reconhecido pelas suas interpretações das Variações Goldberg de J. S. Bach, apresenta obras de Antonio Cabézon, Pedro de Araújo, Juan Cabanilles, Carlos Seixas e Domenico Scarlatti, compositor pelo qual pelo desenvolveu um interesse particular. De seguida, às 18:00, Cibrán Sierra, Pedro Teixeira e Carlos Mena participam no painel “Música Ibérica: Recuperação e Apresentação” com moderação a cargo de Miguel Ángel Marían.

 

 

No mesmo dia, às 19:00, o Cuarteto Quiroga apresenta um recital que junta a mestria de Haydn à originalidade sonora dos autores ibéricos. Dois dos mais reputados quartetos de cordas espanhóis e europeus, reúnem-se em torno de um programa que inclui obras de Joseph Haydn, Almeida Mota e Jose Palomino.

 

 

No domingo, 25 de Novembro, a soprano Ana Quintans e o contra-tenor Carlos Mena recuperam as cantatas e duos de Jaime de la Té y Sagáu, um dos segredos mais bem guardados da música ibérica, e peças instrumentais de Pedro António Avondano, David Pérez, Carlos Seixas e Domenico Scarlatti em “Meandros Musicais do Tejo”. Às 18:00, uma Mesa Redonda une Fernando Miguel Jalôto e Cristina Fernandes em torno da “História da Relação Musical entre Portugal e Espanha”. Moderação a cargo de Rui Vieira Nery.

 

 

Para terminar, às 19:00, o criterioso programa preparado pelo maestro Pedro Teixeira para o Coro Gulbenkian reúne um relevante conjunto de obras de inspiração mariana, focando-se em compositores ibéricos que escolheram desenvolver a actividade artística fora do seu país. “Rosa Immaculata” apresenta obras de Francisco Garro, Francisco Guerrero, Estêvão Lopes-Morago, Estêvão de Brito, Duarte Lobo, Filipe de Magalhães, Manuel Cardoso e Diogo Dias Melgá.

 

Fotografia: Philippe Matsas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.