Inéditos da artista Bela Silva são apresentados na exposição “Desorient Express” no Museu do Oriente

160908_atelier_bela_silva-0040

 

A exposição “Desorient Express” apresenta inéditos de cerâmica da artista Bela Silva. A inauguração acontece no dia 06 de Outubro às 18:30. As peças da artista lisboeta vão estar expostas ao lado de peças da coleção permanente da presença portuguesa na Ásia.

 

 

Bela Silva já teve várias exposições internacionais, a solo e colectivas, a coordenação de workshops de cerâmica e ainda residências artísticas em Kohler (EUA) e na Fábrica Bordalo Pinheiro (Caldas da Rainha). Entre as suas obras de maior destaque contam-se peças de arte pública como os painéis de azulejo da estação de Metro de Alvalade, em Lisboa, e para os jardins do Centro Cultural de Sakai (Japão).

 

 

Às dez peças originais de Bela Silva juntam-se dois cadernos de esboços, numa mostra que inaugura quinta-feira, 6 de Outubro, às 18:30. Como que “desorientando” ou “desalinhando” a leitura da Ásia patente no Museu do Oriente, Bela Silva inspirou-se nas peças do museu para criar trabalhos em cerâmica que funcionam como provocações, desafios ou contrapontos, quer do ponto de vista formal e estético, quer ao nível do seu peso histórico ou simbólico. O que se oferece ao visitante é a visão da artista sobre a Ásia através de obras sensoriais, cheias de ironia, sensualidade e humor, modeladas em cerâmica. Formas quase selvagens, entre o barroco e o abstracto, e criaturas grotescas interagem com peças emblemáticas como os trajes chineses de Dragão, as máscaras rituais timorenses de culto aos antepassados ou um kimono de cerimónia japonês.

 

 

Uma das várias releituras possíveis à narrativa do Museu, “Desorient Express” pretende, de acordo com a curadora Catarina Pombo Nabais, “provocar uma experiência de desorientação do pensamento”, remetendo para um Oriente imaginário e simbólico, ao invés de histórico. Obras de arte contemporânea invadem a coleção permanente do Museu do Oriente.

 

 

A exposição “Desorient Express” estará patente até 31 de Dezembro e poderá ser vista de terça-feira a domingo das 10:00 às 18:00 (à sexta-feira o horário prolonga-se até às 22:00 e à segunda-feira está encerrada). O preço do bilhete custa 6.00 euros e a arquitectura da exposição é de Hugo Luz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.